Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1727 - 15 de Maio de 2020

Crônicas

Voltar à “normalidade” é auto-condenar-se (I)

Edição nº 1726 - 8 de Maio de 2020

Quando passar a pandemia do coronavírus não nos é permitido voltar à “normalidade” anterior. Seria, em primeiro lugar, um desprezo pelos milhares que morreram sufocados pelo vírus e uma falta de solidariedade para com os parentes e amigos. Em segundo lugar, seria uma demonstração de que não aprendemos nada daquilo que é ou foi mais que uma crise, mas um chamado urgente para mudarmos a nossa forma de habitar a única Casa Comum. Temos a ver com um apelo da própria Terra viva, esse super-organismo que se auto-regula do qual somos sua porção inteligente e consciente.

O que poderá vir depois do coronavírus?

Edição nº 1725 - 1º de Maio de 2020

Muitos já sentenciaram: depois do coronavírus não é mais possível levar avante o projeto do capitalismo como modo de produção nem do neoliberalismo como sua expressão política. O capitalismo é somente bom para os ricos; para os demais é um purgatório ou um inferno e para a natureza, uma guerra sem tréguas.

O que nos está salvando não é a concorrência - seu motor principal - mas a cooperação, nem o individualismo - sua expressão cultural - mas a interdependência de todos com todos.

A Terra contra-ataca a Humanidade pelo coronavírus

Edição nº 1724 - 24 de Abril de 2020

Mais e mais cresce a consciência de que a Terra e a Humanidade tem um destino comum, pois formam um única e complexa unidade. Foi o que os astronautas da Lua ou de suas naves espaciais nos testemunharam. Uma porção dela é inteligente e consciente: são os seres humanos. 

Sexta-feira Santa: Jesus continua crucificado nos sofredores e sofredoras de hoje.

Edição nº 1723 - 17 de Abril de 2020

Neste tempo de coronavírus que está produzindo medo e trazendo a morte a muita gente no mundo inteiro, a celebração da Sexta-feira Santa ganha um significado especial. Há Alguém que também sofreu e, em meio a dores terríveis, foi crucificado, Jesus de Nazaré. Sabemos que entre todos os sofredores se estabelece um misterioso laço de solidariedade. O Crucificado, embora pela ressurreição tenha sido feito o homem novo e o Cristo cósmico, continua, por isso mesmo, padecendo e sendo crucificado em solidariedade com todos os crucificados da história. E assim será hoje até o final dos tempos.

Maria Helena Machado: Os Profissionais de saúde em tempos de COVID19 – a realidade brasileira

Edição nº 1722 - 10 de abril de 2020

 A pesquisadora da ENSP-FIOCRUZ, Maria Helena Machado, faz neste artigo a apologia do SUS (Sistema Único de Saúde) que até há pouco tempo vinha sendo combatido e ameaçado de privatização e agora se mostrando como o grande instrumento de assistência à saúde da maioria da população brasileira. A autora mostra a realidade concreta seja da infra-estrutura hospitalar, do corpo médico, de enfermagem e dos centros de pesquisa. Os números são impressionantes, apesar de poderem ser ainda maiores para atender adequadamente toda a população. Veja. (Lboff)

 

O coronavírus desperta o humano em nós

Edição nº 1721 - 03 de Abril de 2020

A pandemia do coronavírus nos obriga a todos a pensar: o que conta, verdadeiramente, a vida ou os bens materiais? O individualismo de cada um para si, de costas para os outros, ou a solidariedade de uns para com os outros? Podemos continuar explorando, sem qualquer consideração, os bens e serviços naturais para vivermos cada vez melhor ou cuidar da natureza, da vitalidade da Mãe Terra e do bem-viver que é a harmonia entre todos e com os seres da natureza?

Até quando deve durar a quarentena?

Edição nº 1721 - 03 de Abril de 2020

 Essa é uma pergunta complicada. Se as medidas forem relaxadas de uma vez, sem estarmos preparados, voltamos à situação inicial de crescimento exponencial da doença. Infelizmente, o desenvolvimento de vacinas e drogas para o tratamento da doença é um processo demorado.

O coronavírus - a auto defesa da própria Terra

Edição nº 1720 - 27 de Março de 2020

Seremos capazes de captar o sinal que o coronavírus nos está passando ou continuaremos fazendo mais do mesmo, ferindo a Terra e nos auto ferindo no afã de enriquecer?

A pandemia do coronavírus nos revela que o modo como habitamos a Casa Comum é nocivo à sua natureza. A lição que nos transmite soa: é imperioso reformatar a nossa forma de viver sobre ela, enquanto planeta vivo. Ela nos está alertando que assim como estamos nos comportando não podemos continuar. Caso contrário a própria Terra irá se livrar de nós, seres excessivamente agressivos e maléficos ao sistema-vida.

O coronavírus: o perfeito desastre para o capitalismo do desastre

Edição nº 1719 - 20 de Março de 2020

A atual pandemia do coranavírus representa uma oportunidade única para repensarmos o nosso modo de habitar a Casa Comum,a forma como produzimos, consumimos e nos relacionamos com a natureza. Chegou a hora de questionar as virtudes da ordem do capital: a acumulação ilimitada, a competição, o individualismo, a indiferença face à miséria de milhões, a redução do Estado e a exaltação do lema de Wallstreet: “greed is good”(a cobiça é boa). Tudo isso agora é posto em xeque. Ele não pode mais continuar.

Coronavirus: uma reação e represália de Gaia?

Edição nº 1718 - 13 de Março de 2020

Hoje é um dado da consciência coletiva dos que cultivam uma ecologia integral, como tantos cientistas como Brian Swimme e o Papa Francisco em sua encíclica “Sobre o cuidado da Casa Comum” que tudo está relacionado com tudo. Todos os seres do universo e da Terra, também nós, seres humanos, somos envolvidos por redes intrincadas de relações em todas as direções de sorte que nada existe fora da relação. Esta é também a tese básica da física quântica de Werner Heisenberg e de Niels Bohr.