Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Crônicas

A destruição das “Indias brasileiras”

Edição nº 1693 - 20 de Setembro de 2019

Em função do Sínodo panamazônico de outubro, convém relembrar o que foi a destruição das Índias Brasileiras, no linguajar de Bartolomé de las Casas com referência à América Central.

O primeiro encontro a 21 de abril de 1500, narrado idilicamente pelo cronista Pero Vaz de Caminha, logo se transformou num profundo desencontro. Por culpa da voracidade dos colonizadores, não ocorreu uma reciprocidade entre o português e o índio, mas um confronto, desigual e violento, com desastrosas consequências para o futuro de todas as nações indígenas.

O respeito é tudo

Edição nº 1692 - 13 de Setembro de 2019

Uma das chagas mais sofridas no mundo e também entre nós é seguramente a falta de respeito.

O respeito exige, em primeiro lugar, reconhecer o outro como outro, diferente de nós. Respeitá-lo significa dizer que ele tem direito de existir e de ser aceito assim como é. Essa atitude não convive com a intolerância que expressa a rejeição do outro e de seu modo de ser.

A Amazônia: Bem Comum da Terra e da Humanidade

Edição nº 1691 - 06 de Setembro de 2019

Os recentes incêndios da Amazônia brasileira e boliviana trouxeram à baila a importância do bioma amazônico para o equilíbrio e, eventualmente, para o futuro da vida. Os descaso com que o presidente do Brasil tratou a questão ambiental, negando os dados científicos mais sérios e as ameaças às reservas indígenas, acrescido ainda o desmonte feito pelo ministro do Meio Ambiente dos principais organismos de proteção da floresta e das terras indígenas e da vigilância do avanço descontrolado do agronegócio sobre a mata virgem, mostraram a gravidade da situação.

O legado de Chico Mendes para o Sínodo Panamazônico

Edição nº 1690 - 30 de agosto de 2019

Chico Mendes é um lídimo filho da floresta, identificado com ela. Cedo se deu conta de que o atual desenvolvimento prescinde da natureza e que se faz contra ela, pois, a vê antes como um estorvo que como um aliado. Foi um dos poucos que entendeu a sustentabilidade como equilíbrio dinâmico e auto regulador da Terra, graças a cadeia de interdependências entre todos os seres, especialmente, dos vivos que vivem de recursos permanentemente reciclados e, por isso, indefinidamente sustentáveis. A Amazônia é o exemplo maior desta sustentabilidade natural.

Momento de agradecer

Edição nº 1690 - 30 de agosto de 2019

“É momento de agradecer, de mãos postas e de coração cheio de amor. De dizer muito obrigado. De falar a cada sacramentano: Deus lhe pague por tudo! Construímos uma cidade bonita, acolhedora, feliz, primeiro por ter sido consagrada ao Santíssimo Sacramento; depois por ter como padroeira a Virgem Maria Mãe do Santíssimo Sacramento e por termos como patronos, o Divino Espírito Santo, São Miguel Arcanjo e o mártir São Sebastião. 

 

A falta que hoje nos faz: o amor universal e incondicional

Edição nº 1689 - 23 de agosto de 2019

 Dedicado à pensadora e mestre-astróloga Martha Pires Ferreira

 

Vivemos atualmente tempos sombrios de muito ódio e falta de refinamento. Precisamos resgatar o mais importante e que verdadeiramente nos humaniza: o simples amor. Estimo que devemos sempre retomar o tema do amor universal e sem pré-condições.

O Cristo cósmico e os muitos "Cristos" na história

Edição nº 1688 - 16 de agosto de 2019

O processo de planetização colocou as religiões em contato uma com as outras e mostrou como podemos ser religiosos das mais diferentes formas. Esta situação nova coloca a questão referente à figura de Jesus, crido como Cristo e  salvador universal. Como situar Jesus ao lado de outros, considerados por seus povos também como portadores de salvação?

O projeto neoliberal no mundo e no Brasil é anti-vida e inimigo da natureza

Edição nº 1687 - 09 de agosto de 2019

Aproveito as reflexões de um de nossos melhores filósofos, da Universidade Federal do Ceará, Manfredo de Oliveira, especializado na relação entre economia, sociedade e ética. Sua obra sobre o tema é vasta. Aqui resumimos um estudo mais longo sobre o projeto implementado no mundo e agora no Brasil: o neoliberalismo ultra radical. Escreve ele:

Cidadania, Florestania: a Amazônia, titular de direitos - Parte II

Edição nº 1686 - 02 de agosto de 2019

Amigos, estou enviando um texto, em continuação daqueles ecológicos sobre a Amazônia,pensado como subsídio ao sínodo panamazônico a se realizar em Roma em outubro deste ano.

Abraço

Lboff

 

Por fim, há que se incluir a própria Terra, como Gaia, super-organismo vivo, no rol dos cidadãos. Ela seria aquela realidade cidadã que cria as condições para todos os outros tipos de seres, como seu valor intrínseco e sujeitos de cidadania.

 

Assim nasce uma estrela

Edição nº 1686 - 02 de agosto de 2019

Era meados do ano 1978. Numa tarde de domingo, uma turma de amigos, na Rua das Flores (hoje Manoel Soares), que acabara de receber calçamento de paralelepípedo.  Na região das casas do dona Ridugela, Dona Leontina, dona Fiíca e Dona Ozana, vivíamos nossa fase de adolescência, alguns já chegando na fase adulta. Com o calçamento, o futebol de rua começava e mudar de ares. Já não era na terra bruta. Embora ainda houvesse muita areia, usada para rejuntar a pavimentação.