Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1777 - 07 de Maio de 2021

Prefeitura intensifica combate a dengue

Edição nº 1356 - 05 Abril 2013

De acordo com a Secretaria, estão sendo realizadas diversas ações no sentido de controlar a infestação do mosquito Aedes Aegypti e a doença e assim evitar uma epidemia. Entre as ações estão a realização de mutirões de limpeza, palestras, trabalho de campo com visitas domiciliares pelos agentes de combate a endemias, reforço das ações educativas pelos PSFs,  parceria com diversas Secretarias para trabalho conjunto e foram realizados seis ciclos de fumacê, que  será retornado nos próximos dias. Um novo mutirão de limpeza está sendo  realizado desde a segunda-feira,  dia 2 de abril. Ainda de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, não foi registrado nenhum caso de dengue hemorrágica. 

No país, houve um aumento de quase 300% dos casos. O Ministério da Saúde registrou 635,1 mil casos de dengue contra 167,2 mil em 2012, um aumento de 279%, entre 1º de janeiro e 23 de março de 2013, em  comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados do Ministério da Saúde. As notificações recebidas nacionalmente passaram de 167,2 mil para 635,1 mil nas 12 primeiras semanas. 

 Em Sacramento, até o dia 3, segundo informações da assessoria de imprensa da Prefeitura, que finalmente tornou públicos os casos, a cidade tinha 93 casos confirmados e 308 notificações. A  confirmação só é feita após sete dias do hemograma. 

Apesar do aumento nas notificações, o registro de casos graves diminuiu de 1.316 para 1.243. Já a quantidade de mortes passou de 102 para 108 casos. Os estados com maior incidência da doença são Mato Grosso do Sul (2.947,8 casos por 100 mil habitantes), Goiás (1.366,9 por 100 mil) e Espírito Santo (801,5 por 100 mil).

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha afirmou que a maior parte dos casos notificados são de vírus que circulam há pouco tempo no país. "A maior parte da circulação é de dengue tipo 4, que é um vírus novo, que vem circulando desde 2011 no país. E uma circulação também de dengue tipo 1. Ou seja, pegando pessoas que não tiveram dengue tipo 1 ao longo da história da epidemia de dengue no nosso país, que começou em 1985"., afirmou.