Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1754 - 27 de Novembro de 2020

S. Saúde alerta contra a dengue

Edição n° 1197 - 19 Março 2010

Enquanto inúmeras cidades vizinhas sofrem com  o crescimento dos casos de dengue, Sacramento está sob controle. Apenas dois casos.  E o Secretário de Saúde, Ed Meirelles afirma “não há milagre, há trabalho, um trabalho incessante. Trabalhamos juntos com a Funasa o tempo todo. A vizinha cidade de Conquista teve mais de  120 casos positivos de dengue, inclusive três hemorrágicos. É uma situação preocupante dada a proximidade das duas cidades, são  apenas 19 km. Não há como dizer que não tenhamos casos positivos. O ir e vir de sacramentanos é muito grande para cidades que têm muitos casos da doença e ela pode se contaminar noutras cidades e venha ser um foco de contaminação para nós. Precisamos ficar alertas”, explica.

De acordo com Ed, existem hoje 15 pessoas trabalhando, fazendo 43 mil visitas por ano (dados do ano passado), em domicílios e terrenos baldios, fizemos limpeza na cidade, mutirão de limpeza, retirando caminhões e caminhões de lixo. O trabalho está sendo feito. Mas Ed alerta  “se a população não se conscientizar de nada vão adiantar essas visitas . Os focos aumentaram, agora é um tempo de chuvas mais amiúde e agora é o momento de aumento. A maioria dos criadouros de mosquito estão  dentro dos quintais nas casas e quem é o responsável pelo domicilio é o morador. Essa é uma das dificuldades que encontramos.  É preciso que todos fiquemos atentos”, cobra. 

Além do alerta total, um amplo trabalho de conscientização será feito, conforme explica Ed “vamos fazer um trabalho nas associações de bairros, comerciantes e ouros segmentos, porque observamos  que qualquer festa que há, no outro dia ruas inteiras estão cheias de copos descartáveis, latas de bebidas, que acabam indo para terrenos baldios e isso é um acumulador de água que pode atrai o mosquito. Esse trabalho visa orientar os produtores de festas para que ninguém  saia com latas ou copos. É um perigo isso e precisa ser controlado”, explica, acrescentando que “vamos estar com alerta nas rádios, carro de som nas ruas, está sob controle mas é preciso ficar alerta, porque os focos aumentaram e a vigilância tem que ser constante”, afirma.