Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Pe. Carlos Artur morre aos 73 anos

Edição nº 1754 - 27 de Novembro de 2020

Mais um luto na família Redentorista, desta vez pela morte do padre Carlos Artur Annunciação (foto), que morreu na noite desta quarta-feira 25, às 23h50, no Hospital Frei Galvão, em Guaratinguetá (SP).  

 

Natural de São Paulo, foi em Aparecida que Pe Carlos Artur dedicou grande parte do seu ministério. Dos 55 anos que viveu na Congregação Redentorista, 28 deles foram doados ao serviço da Casa da Mãe. Dono de um carisma inigualável, padre Carlos Artur emprestou sua voz marcante para anunciar a Palavra de Deus e divulgar a devoção a Nossa Senhora Aparecida, no Santuário Nacional. Ali, junto do Altar da Padroeira do Brasil, ele foi reitor por quatro anos, vigário episcopal, superior de comunidade religiosa e sempre seu missionário e apóstolo dedicado, durante 43 anos de padre e 50 anos de profissão religiosa.

A Congregação Redentorista, na sua mensagem na pág. a12.com,  registrou: “Com sorriso franco, afetuoso e reflexões de grande profundidade, ao mesmo tempo, transmitidas numa linguagem simples, padre Carlos Artur conquistava os corações sem esforço. Dele queremos guardar o ardor missionário e seu amor pelo carisma herdado de Santo Afonso. Que a Mãe Aparecida o acolha junto de seu colo, que os santos redentoristas o recebam no céu e que o bom Deus o acolha na luz de sua face e lhe conceda, no dia da ressurreição, a plenitude da vida”.

 

 

Depois de exercer o seu ministério sacerdotal nas missões populares Brasil a fora e em funções eclesiais em várias cidades da província, em dezembro de 1981, foi transferido para o Seminário Santo Afonso, em Aparecida, para ser formador de novos missionários. A partir de 1984 exerceu diversas funções em Aparecida, como conselheiro provincial, superior da comunidade, reitor do Santuário Nacional, superior da comunidade redentorista do Santuário, vigário episcopal até 2002, quando é transferido para a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Jardim Paulistano. E desde 2007 está no Santuário de Aparecida colaborando na Pastoral dos Romeiros. Morreu como queria, na casa da Mãe.