Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1751 - 30 de Outubro de 2020

Heróis da Fé: Carlo Acutis, o 'ciberevangelista' e padroeiro da internet

Edição nº 1748 - 09 de Outubro de 2020

Uma das características mais marcantes dos heróis são exatamente as ações grandiosas, assim, é o jovem herói da fé, Carlo Acutis (foto), o servo de Deus, citado pelo Papa Francisco na exortação pós-sinodal Christus Vivit, como exemplo de alguém que fez excelente uso dos meios digitais para a evangelização. 

 

Carlo Acutis morreu de leucemia em 2006, aos 15 anos. Ele ficou conhecido como "padroeiro da internet" entre os fiéis e será beatificado neste sábado 10. O Vaticano reconheceu como milagre a cura do brasileiro, Matheus Vianna, de 10 anos, residente em Campo Grande (MS), depois que tocou numa relíquia do adolescente anglicano.

 

Quem é Carlo Acustis

Nascido em Londres, na Inglaterra, Carlo Acutis foi criado em Milão, na Itália, onde ainda criança tornou-se católico e devoto da Virgem Maria. Além das participações na Igreja e das práticas religiosas, Carlo gostava de computadores e tinha um conhecimento de ciência da computação muito acima da média para garotos da sua idade. "Ele era um especialista em computação, lia livros de engenharia da computação e deixava todos maravilhados, mas colocava seu dom a serviço dos outros e o usava para ajudar seus amigos ”, conta a mãe, Antonia Acutis, à agência de notícias católica ACI.

Carlo passou a viver um intenso apostolado, ensinando a catequese para crianças e jovens. Como era encantado pela Eucaristia, passou a fazer pesquisas a respeito dos milagres eucarísticos. E aos catorze anos, desejando partilhar suas descobertas, utilizando-se dos seus dons para a informática, desenvolveu um site para propagar exposições virtuais sobre temas da fé católica, como os milagres eucarísticos que tomava conhecimento, e de serviços de promoção humana.  Assim, Carlo conseguiu unir as duas paixões ao criar um site dedicado à catalogação cuidadosa de cada milagre que o tornou conhecido como 'ciberapóstolo' para evangelizar, façanha que lhe rendeu o título de "padroeiro da internet".

Porém, logo depois, Carlo viria a ser diagnosticado com uma leucemia extremamente agressiva, que tirou-lhe a vida em 12 de outubro de 2006, dia, por sinal, que celebramos a festa da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

 Em 6 de julho de 2018, as virtudes heroicas de Carlo foram reconhecidas pelo Papa Francisco ao conceder-lhe o título de venerável Servo de Deus. Recentemente, em 22 de fevereiro de 2020, o milagre para sua beatificação foi aprovado também pelo Papa Francisco.

"Este rapaz foi realmente genial e muitos aspectos da sua vida representam para nós um incentivo", disse o bispo de Assis, Dom Domenico Sorrentino, ao site de notícias do Vaticano.

 

O Milagre no Brasil 

 Depois de sua morte, o Pe Marcelo Tenório, da Paróquia São Sebastião, em Campo Grande, passou a realizar a missa anual de Nossa Senhora Aparecida sempre com a exposição de uma roupa (uma relíquia) que teria sangue de Carlo Acutis. Em uma dessas missas, no ano de 2010, um avô desesperado com o diagnóstico do neto doente o levou até a paróquia. E, de acordo com a família, o garoto foi curado após tocar a vestimenta. 

“Se não fosse por ele, não teríamos o Matheus vivo, grande e saudável. Ele foi desenganado aos três anos de idade", disse a mãe Luciana Lins Vianna, de 40, em entrevista ao G1 MS, no último dia 2.  Alegre, ela comemora a beatificação a quem é atribuída a intercessão para cura do menino. Luciana lembra que foi constante em oração pedindo a cura do filho, diagnosticado com a doença aos 2 anos de idade e conta que no desespero ao saber que o filho não sobreviveria, lembrou das palavras do pároco da Igreja de São Sebastião, Marcelo Tenório, que "sempre dizia na homilia que o Carlo precisava de um milagre pra ser canonizado e vocês, que precisam do milagre, peçam pra ele. E foi o que eu fiz, pedi pro Carlo", lembra.

 

 "A criança, me lembro bem, estava raquítica e tinha problemas de pâncreas anular. Ela não comia nada, não ingeria nem sólido nem líquido e teve a cura logo depois", afirmou o padre Marcelo Tenório, em entrevista ao G1 MS em novembro do ano passado, quando o Vaticano reconheceu o milagre realizado por Carlo Acutis.