Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Festa do Divino Pai Eterno

Edição nº 1471 - 26 Junho 2015

A cada ano cresce mais o número de devotos da cidade e região na Festa do Divino Pai Eterno, de Sacramento. A presença dos fieis é grande desde a recepção da imagem milagrosa no trevo de entrada da cidade, nas celebrações eucarísticas na cidade e, principalmente, na Capela do Divino, no rancho do Juvêncio Bizinoto. 

A movimentação começa de madrugada com um grande número de romeiros que percorrem a pé os 23 Km que separam a cidade até o alto do Morro do Cristo, no rancho. É grande também o número de cavaleiros que vão à capela pedir e agradecer por graças alcançadas.

Com o crescimento da devoção,  a estrutura no sítio vem também melhorando a cada ano em todos os aspectos e vem registrando também um aumento considerável na participação de voluntários ao longo do trajeto servindo água, chá, leite e pães para combater o frio da madrugada. Há também muitos voluntários no local da festa para os preparativos da celebração, café da manhã e almoço. 

Continua precário, entretanto, o serviço de banheiros e de lavabos para atender os romeiros e a acomodação do público durante a celebração campal.  

Cerca de 5 mil pessoas passaram pela Capela durante a visita da imagem do Divino Pai Eterno, no último sábado, 20. Presidida pelo missionário redentorista, Pe. Reginaldo Martins e concelebrada pelo vigário paroquial da Basílica do Santíssimo Sacramento, padre Gil Araújo, o irmão redentorista, José Alves, que há 20 anos é o guardião da imagem peregrina até Sacramento e o seminarista Auro Marques de Oliveira. 

Homens, mulheres, jovens, crianças, idosos, pessoas doentes e sadias todos devotos do Divino, lotaram os espaços em torno do altar montado com vista para o Morro do Cristo e a celebração foi, de fato, um momento de grande fé para todos e até de emoção para pessoas que foram pagar promessas.

Na homilia das leituras de 2 Coríntios 12,1-10 e Mateus 6, 24-34,  padre Reginaldo destacou a fé como tema central da pregação. “Estamos reunidos nessa grande festa, dedicada ao nosso Deus, O Divino Pai Eterno,   como sinal de agradecimento , como sinal de pessoas que amam a Deus, que buscam a Deus incessantemente, por isso essa peregrinação. 

Vocês saíram de casa, vieram a pé, a cavalo, de bicicleta, de ônibus, de carro, isto é, não mediram esforços para estar aqui para louvar e bendizer a Deus. Nesse dia de hoje estamos fazendo um ato de fé, de entrega, de esperança, de consagração da nossa vida a Deus, dizendo que não adoramos a dois senhores, porque ele provou que nos ama, se fez homem e veio ao nosso encontro por meio de Jesus, que nos deu a plena comunhão com Deus. (...)  

Por isso no evangelho, Jesus nos diz: 'Não vos preocupeis com o dia de amanhã, não vos preocupeis  em acumular tesouros neste mundo, porque os bens deste mundo são passageiros'. Ele nos pede, antes der tudo e em primeiro lugar, que nos preocupemos com o reino de Deus, pois o resto nos virá por acréscimo. Estamos neste mundo peregrinando, por isso devemos buscar por meio da nossa vida guardar os ensinamentos de Jesus: viver a humildade, a mansidão do coração, a paz, a justiça e o amor (...)”.  

Padre Gil pediu  um dia de fraternidade entre todos e destacou o Cristo no morro. “Que grande intuição tiveram aqueles  que pensaram no Cristo lá no alto do morro. Ele abre os braços para todos nós, por isso, nesta manhã,  nos sintamos todos abraçados por Deus”.  A celebração encerrou com a  consagração de todos ao Divino Pai Eterno, cuja imagem ficou exposta no local até as 15h. De acordo com Maurílio Bizinoto, a ideia de colocar a imagem do Cristo no morro nasceu com seu pai e, dois anos depois de sua morte, a família cumpriu o seu desejo.  

A celebração foi abrilhantada pelo jovem Lucas Maciel Camargo, 29, e seu violão, que cantou toda a missa encantando os fieis.