Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1783- 18 de junho de 2021

Lero Social

Edição n° 1302 - 23 Março 2012

‘Somente quem tem na família uma pessoa curada de câncer pode dimensionar de forma justa o que é o tratamento nesses hospitais, derrubando o mito e derrubando toda a tristeza que o câncer tem trazido nos dias modernos e a nossa impotência 

diante dessa doença no passado’’

(Vereador Carlos Alberto, defendendo aumento da dotação aos hospitais de câncer, neste jornal)


“A gente sempre trabalhou no sol, não cuidava, antigamente não tinha esses cuidados de hoje, era trabalho pesado no sol, aí disseram pra vir fazer exame e vim. Dia 17 de maio, vamos lá em Barretos pegar o resultado. A gente precisa cuidar da saúde”.

(Joaquim Batista Cardoso, em entrevista ao ET)

 

O primeiro aninho de Ana Beatriz

 

E quem completou seu primeiro aninho no dia 16, foi Ana Beatriz Cunha Alves, filha de Ana Flávia Estevam da Cunha e Pedro Miguel Filgueiras Alves. A comemoração aconteceu em grande estilo no último sábado, 17,  no salão Shekiná e contou com participações de convidados especiais que foram prestigiar o pequeno mimo, dentre eles o avó Heriberto Cunha e a corujíssima vovó Kátia Estevam, além dos padrinhos Denise e Rodrigo Guissoni e Thaís Santana e Miguel Alves.

Baseado no tema Minnie, a decoração ficou a cargo de Tatiane Almeida e como não podia deixar de ser, o momento ficou registrado através das lentes apuradas do fotógrafo Wellington e da filmagem de Valdimar. Felicidades mil a linda 

 

CIDADÃO ARAXAENSE

 

Dr. Marcelo Saito, oftalmologista, foi congratulado com o título de Cidadão Honorário de Araxá. Dr. Marcelo ficou lisonjeado com o carinho recebido, fruto de sua dedicação e afeto à sociedade araxaense.

 

COMEMORAÇÃO

 

Júlia e Léo (conhecido com Léo do Bradesco) comemoraram aniversário de casamento, 29 anos de união e felicidade, na segunda-feira, 19. O casal recebeu o abraço das filhas Layane (Valmir) e Lidiane(Alonso) e dos  netos, Gabriel e Ana Júlia. Parabéns!

 

FÁBIO É O NOVO DIRETOR DA EE SINHANA BORGES 

 

O Prof. Fábio Luiz Sebastião é o novo diretor da EE Sinhana Borges, que entrou em exercício no dia 13 de março, ocupando a vaga deixada pela diretora Márcia Cordeiro Rezende Bizinoto, preliminarmente afastada para aposentadoria. 

Com o afastamento da diretora Márcia, em princípio, a vaga deveria ser ocupada pela vice-diretora Thaísa de Castro Lobato Pires que, no entanto, por ocupar cargo comissionado na Prefeitura, optou por deixar a direção. 

“- Assumi o cargo no dia 6 de janeiro, mas após analisar muito, vi que não seria vantajoso. Comuniquei à SRE, que me pediu para reconsiderar, mas achei melhor continuar com a minha condição atual. Não é viável eu assumir a direção”, afirmou.

Explicando como se deu o processo, devido a um professor, recém chegado à escola, ocupar a direção, Thaísa justificou que o Prof. Fábio pediu, no final do ano, remoção da EE Cel. José Afonso de Almeida para a EE Sinhana Borges e com isso pôde participar do processo de escolha. 

“- Levamos o caso em assembléia paraa indicação de três nomes que estivessem dentro da Resolução, isto é,  que tivessem a certificação de diretor. Foram apresentados os nomes das professoras SuraiaCerchiSiveiraBizinoto, Naara Cristina Moreira Mota e Fábio Luiz Sebastião. Apresentados à SRE, o cargo foi entregue ao Prof. Fábio, porque era o único que possuía certificação ocupacional de diretor, além do certificado do Progestão”, disse, informando que o nome foi depois aprovado pelo Colegiado.   

Para o professor Fábio, ex-diretor da Escola Coronel, a realidade do Sinhana Borges é outra. “Aqui são pouco mais de 500 alunos, lá eram três vezes mais. E tudo é novo, a começar com o funcionamento, aqui são dois turnos. Mas assumi com muita vontade de trabalhar”, afirmou, destacando a intenção em dar continuidade às propostas apresentadas pelaex-diretora Márcia, por ocasião das  eleições para diretor no ano passado. “Estamos trabalhando juntos, Thaísa e eu e vamos dar continuidade às propostas. Thaísa está muitos anos na escola, conhece bem e vamos tomar decisõesjuntos”, finalizou. 

Saudades... 
* João Candim  faleceu no dia 13 de março, aos 87 anos.  João era viúvo de Ilda Anísia Mariano, pais de dez filhos, dos quais oito estão vivos:  Antonio (falecido), Agnaldo, Adilson (falecido), Aparecida, Abdala, Arlete, Altair, Anete, Antenor e Adriano, filhos que lhe deram  44 netos, 22 bisnetos e,  em julho, chega o tataraneto.
 João Candim, um dos tradicionais moradores do bairro Santo Antonio, foi amigo, companheiro, alegre, cativante e, como define a filha Arlete, "papai foi e sempre será o nosso herói, um exemplo de vida, um exemplo de pai e de dedicação. É um vazio tão grande, uma saudade imensa, mas ele descansa em paz em Deus pelo que foi com a família,  amigos e todos que o conheciam".
Alberto Carneiro Saraiva, 80 anos, viúvo de Maria Gomes, faleceu há três meses, no dia 17 de dezembro, deixando um profundo vazio nos corações de familiares e amigos, sobretudo da filha Júlia Gomes Fernandes, com quem o pai convivia há muitos anos. 
Seu Alberto, durante toda sua vida deixou lições e exemplos de vida e de dedicação à vida e à natureza. É de conhecimento comunitário, o cuidado e o carinho que teve com os ipês plantados na avenida Abrãozinho. Diariamente, já madrugadinha, a população, especialmente, daqueles arredores, via Seu Alberto regando todas as árvores ali plantadas, cuidando das ervas daninhas que cresciam em volta e podando corretamente os galhos imprestáveis. 
De acordo com a filha Júlia , Alberto e ela mesma  não nasceram em Sacramento,  mas para cá mudaram  há quase trinta anos. “Poucos eram os que não conheciam papai nessa cidade, que ele adotou como sendo sua. Papai era passageiro assíduo dos circulares da cidade, da Loteria então, nem se fala”, recorda Júlia, lembrando detalhes da vida do pai, em especial seu amor à natureza. “Papai cuidou de cada uma das mudas de ipê da avenida Abrãao Abdão Amui (avenida do cemitério), desde o dia em que elas foram plantadas. Molhando uma a uma todos os dias, com as suas garrafas pets de dois litros , de manhã e mesmo debaixo do sol escaldante. Até que a estação de estiagem terminasse,  lá estava ele”, contou. 
Lembra a filha Júlia do dó extremado que o pai tinha em relação aos cães de rua. “Papai era também pai adotivo dos cachorros da rua lá do bairro, nas proximidades do cemitério. Ele dava água e comida diariamente, e eles lhes eram gratos, seguiam-no sempre, fiéis e companheiros como poucos seres, dito humanos. O mesmo trabalho era feito com os pássaros... Papai era um grande homem, não em tamanho ou em posses, mas nos gestos...”, lembrou. 
A filha fala também do grande círculo de amizade que mantinha Seu Alberto, para conversar e dar boas risadas. “Papai foi amigo fiel do Sr. Herculano, do Sr. Vicentini, do Sr. Abner... Dava enormes gargalhadas quando encontrava os amigos e eram muitos.Esse grande cidadão só não teve o nome lembrado pela passagem do seu falecimento, mas  da mesma maneira linda que viveu, servindo a Deus e aos que precisam, assim o Senhor o recolheu, dormindo... 
Mérito só paraos puros de alma”, destacou Júlia. 
Outra virtude de Alberto está no amor e dedicação à família. Viúvo aos 40 anos, teve uma vida sofrida e de muito trabalho. “Com três filhos pequenos, meus irmãos, Luiz Carlos e Vera e eu, ele foi, na verdade, nosso pai e nossa mãe. Nunca mais se casou, abdicou de toda sua juventude para se dedicar aos filhos e viveu a vida toda comigo...”, contou a filha, recordando o dia de sua morte. “Estávamos ele e eu somente, quando ao chegar do trabalho, ele me disse que estava sentindo frio, foi dormir e dormiu para sempre, sem dar nem um gemido”, contou, emocionada, agradecendo por Alberto ter sido uma pessoa tão especial. 
Infelizmente, o registro necrológico está sendo feito apenas agora por um lamentável lapso da redação. Pedimos desculpas à família. 
A família, através da filha Arlete, agradece a toda equipe de enfermeiros, auxiliares e médicos da  Santa Casa e a todos os que lhes deram o apoio necessário no momento da perda. Deus lhes pague pelo conforto.