Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº1733 - 26 de Junho de 2020

Saudades Faustina Fornazier

Edição nº 1727 - 15 de Maio de 2020

A mais longeva cidadã sacramentana, Faustina Fornazier (foto), morreu aos 104 anos, no dia 8 de maio, na Santa Casa de Misericórdia de Sacramento, às 17h, logo após ser internada, por problemas de secreção que estavam obstruindo sua garganta/traqueia. Sem problemas de saúde, sem nenhuma medicação e inteiramente lúcida, Da. Faustina passou mal em casa e foi levada para o hospital para aspirar a secreção, mas infelizmente, meia hora depois veio a óbito.

“Ela estava muito bem. Não tomava nenhum remédio, lúcida, lembrava o nome de todos os netos, sentindo apenas uma fraqueza proveniente da idade”, recorda a nora Marlene Félix, que naquele dia, inteiramente saudável, despediu-se do filho Joaquim ao sair para o trabalho, como era de costume, dando-lhe a bênção.

 Faustina foi sepultada às 10h da manhã do sábado, no Cemitério São Francisco de Assis, após exéquias proferidas pelo Pe. Carlos Alexandre. 

Viúva de José Félix com quem foi casada durante 65 anos, dona Faustina deixa quatro  filhos dos sete filhos que teve: Joaquim Félix (Marlene), João (Aparecida), Maria José (Osvair, falecido) e Donizete (Ione); 13 netos, 13 bisnetos e 1 tataraneto. 

 

E deixa também uma bela história de vida 

Dona Faustina deixa a saudade e sobretudo, para a família, uma bela história de vida, de religiosidade, trabalho e perseverança. Em 2016, dona Faustina completou 100 anos e a data foi comemorada por cerca de 300 pessoas das famílias Fornazier e Félix: filhos, genros, noras, netos, bisnetos, tetranetos, sobrinhos e amigos, que juntos participaram da Missa em ação de graças e juntos celebraram a   vida da matriarca: 100 anos, uma bênção, merecedora de toda gratidão. 

As famílias viveram mais quatro anos de bênçãos pela presença viva de Faustina, que apesar da fragilidade natural da idade, era a guardiã das histórias, dos ´causos´, com uma lucidez ímpar, pois sabia os nomes de todos os netos... até que neste 8 de maio, retornou à casa do Pai.

 Filha de Fausto Fornazier e Tereza Orlando Fornazier, dona Faustina nasceu na fazenda Gamela, numa família de 16 irmãos.  Estudos não teve, mas fazia de tudo de casa e da lida rural, para ajudar a mãe a criar os irmãos, depois de perder o pai aos 12 anos.  Mas nunca esmoreceu, com certeza, graças à grande religiosidade da família. “Mãmãe saía com a gente e vínhamos à missa aqui na Matriz todo domingo, de madrugadinha”, contou Faustina em entrevista ao ET, por ocasião de seu centenário. 

 Em 21 setembro de 1939, aos 24 anos, dona Faustina e José Félix receberam as bênçãos matrimoniais proferidas pelo cônego Julião Nunes Um casamento que durou 65 anos e lhe rendeu sete filhos, três dos quais falecidos ainda crianças.

  Com a morte do marido, Faustina veio morar na cidade com o filho Joaquim e a nora Marlene  e na cidade viveu até o seu  último dia, recebendo o carinho, a presença  e o zelo de familiares . E hoje está com Deus, deixando belas recordações e exemplos. Fica a saudade.