Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Educação e Saúde são temas de conferências municipais

Edição nº 1469 - 12 Junho 2015

A Prefeitura de Sacramento, cumprindo determinações do Governo Federal, através do PNE/MEC e do Conselho Nacional da Saúde/Ministério da Saúde, encerrou o mês de maio realizando duas importantes conferências municipais. No dia 28, a Secretaria de Educação realizou a Conferência Municipal de Educação com a participação da sociedade, para a construção do Plano Municipal de Educação, dentro da realidade do município e que é feito com os atores envolvidos na educação. Nos dias 30 e 31, a Secretaria de Saúde realizou a 9ª Conferência Municipal de Saúde abordando o tema, 'Saúde Pública de qualidade para todos'

A Conferência de Educação, de acordo com a secretária Joana da Graça Gonçalves e Faria, foi um espaço coletivo de discussão que recebeu entidades acadêmicas, sindicais, profissionais, estudantes, movimentos sociais e representantes da sociedade civil, com o objetivo de finalizar o Processo de Realinhamento do Plano Decenal Municipal de Educação (PDME) visando a defesa de uma educação de qualidade para todos os níveis, etapas e modalidades de ensino do município. Vinte metas e estratégias foram definidas por um grupo de 20 delegados.

Respondendo a emeio do ET, a secretaria de Saúde informou que as propostas apresentadas e aprovadas na 9ª Conferência dependem agora da aprovação do Conselho Municipal de Saúde, em reunião que será realizada dia 25 próximo.  Já os 20 temas aprovados na Conferência em Educação constam de relatório na secretaria de Educação, a disposição dos interessados.

Realizada no Galpão Cultural da EE Cel. José Afonso de Almeida, os participantes da Conferência da Saúde em Sacramento tiveram duas palestras, a primeira, abordando o tema da proposta nacional “Saúde Pública de qualidade para todos”, proferida por Conceição Aparecida Rezende, assessora de gabinete do secretário de Estado de Saúde, Fausto Pereira dos Santos; a segunda, abordando o tema, “Os  desafios nas redes de atenção à saúde”, ficou a cargo proferida por  Ivan José da Silva, da  Superintendente Regional de Saúde de Uberaba. 

De acordo com o secretário da Saúde do município, Adriano Magnabosco, na conferência, foram trabalhados oito eixos temáticos e aprovadas quatro propostas de cada um, totalizando assim 32 propostas do município. O secretário elogiou a qualidade das propostas. 

“- Ao contrário dos anos anteriores, quando as propostas eram mais de âmbito local, hoje, elas foram mais abrangentes, em âmbito de município, de regional e até estadual, o que é muito bom, porque o financiamento  da saúde é obrigação das três esferas: município, Estado e União, mas é um financiamento muito desigual’’, analisou. 

Segundo o secretário de Saúde, Adriano Magnabosco, o município arca com 72% do financiamento da Saúde, enquanto o Estado com apenas 5% ou até menos e o restante ficando para a União. 

“- Por isso os municípios brasileiros estão estrangulados, principalmente na área de saúde, que mexe com a vida das pessoas, um serviço que não pode deixar de ser feito ”, justifica, criticando a participação mínima do Estado.

Reconhecendo que a saúde no município vem deixando muito a desejar, Adriano diz que o governo está fazendo grande esforço para melhorar. “Sei que nosso atendimento não está bom, mas vamos fazer um esforço para melhorar o atendimento básico primário, porque é um atendimento mais barato e fácil de fazer. Conseguindo isso,  poderemos melhorar o atendimento de média e alta complexidade. É um desafio grande, mas vamos trabalhar para isso”, finalizou o secretário.  

 

Pronto Socorro é o problema maior 

Em relação à Santa Casa de Misericórdia de Sacramento, Magnabosco reconhece também  que as reclamações contra o pronto socorro têm sido constantes: “Sabemos que faltam médicos, ambulâncias e até nos postinhos há falta de exames, remédios , etc. Inclusive, em resposta ao ET na edição anterior,  o prefeito falou da dificuldade em conseguir anestesista para a cidade, mostrando o empenho do governo”, reconheceu, colocando o pronto socorro como o grande problema da saúde no município.  

“- Um dos grandes problemas da saúde em Sacramento, chama-se pronto socorro, que em Sacramento é mal usado e os próprios gestores municipais plantaram isso, porque deixaram de atender a atenção primária, que é aquele o atendimento da família. É desproporcional o atendimento, enquanto o PSF atende sete, o pronto socorro atende 70 pacientes. A minha proposta como gestor da saúde - não sei se vou conseguir implementar -  mas    quero melhorar e muito a atenção  básica, para desafogar o pronto socorro, que passará a atender apenas os casos de urgência e emergência, com toda a infraestrutura necessária”, explicou.

O secretário criticou também o fato de pacientes conveniados buscarem atendimento no SUS. “O problema é que o SUS em Sacramento não atende só SUS, pessoas com convênio médicos também buscam o atendimento público e são atendidas. Temos que pegar o paciente de convênio e levar para atendimento fora daqui. Isso é legal? Não é, mas fazemos, porque temos de dar valor primeiro à vida”,  afirma, reconhecendo que a situação só vai melhorar quando conseguirem melhorar o atendimento básico. 

 

Os novos conselheiros da Saúde Gestão 2015/17

Representantes dos usuários (efetivos): Thaís Nascimento, Maria Júlia de Fátima Borges, Sandra Aparecida Gonzaga de Oliveira, Lucio André Cardoso, Gérson Lopes, Albino Araújo de Faria, Geralcino Silveira Borges e José Idualte. 

Representantes dos Trabalhadores de Saúde (efetivos): Margareth Miranda Reis e Paula, Juliana Theodora Cunha de Oliveira, Marina Giani Scalon e Kariny Beatriz Caiado Bonatti.

Representante dos Prestadores de Serviços Privados de Saúde:  Raquel Aparecida da Costa. 

Restam ainda os três representantes efetivos  do Governo e três suplentes, que serão indicados pelo prefeito da cidade.

 

Representante do Conselho Estadual 

Dos 53 conselheiros estaduais de saúde (CES/MG) dos usuários, Jurandir Ferreira foi indicado para participar da Conferência em Sacramento pela CNBB, que tem assento no Conselho Nacional e Estadual e pode indicar até dois conselheiros em Minas, para acompanhar as conferências nessa região, assim como outros acompanham outras regiões. 

‘‘- A CNBB tem um projeto muito grande em defesa da vida e na defesa da vida está incluída a saúde, a assistência e a dignidade da pessoa”, justificou o representante do conselho estadual.

De acordo com Jurandir, “o papel dos conselheiros estaduais é manter um contato constante com os municípios no sentido de colher informações das bases, porque é aqui que as coisas acontecem, e levá-las ao conselho estadual, visando uma melhor atuação do governo estadual”.  

José Carlos Queirós,  Conselheiro, representante dos usuários e morador da comunidade do  Quenta Sol, completou 16 anos de participação em conferências de Saúde e vê avanços, porém, admite que muito precisa ser melhorado. “Entendo que, se nos é dada a oportunidade de opinar a gente tem que participar,  e vejo que muita coisa melhorou, mas muita coisa precisa melhorar ainda”, observa, fazendo uma avaliação positiva, com um pedido à população:

“- Peço que as pessoas que usam o serviço público de saúde nos ajudem. Estamos passando por um período financeiro crítico,  mas a saúde é prioritária, não só neste, mas em todos os governos. Estamos abertos ao diálogo e é  por esse caminho é que podemos encontrar soluções”.