Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Escolas da cidade apresentam bom índice no Proeb

Edição nº 1420 - 27 Junho 2014

A Secretaria de Estado de Educação (SEE/ Minas Gerais), divulgou na segunda-feira,  16 de junho,   os resultados do Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica (Proeb).  No total, mais de nove mil escolas, sendo 3.461 estaduais e 6.043 municipais,  fizeram a avaliação e o resultado de cada uma delas está  disponível no ambiente virtual do Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública (Simave), onde poderá ser consultados os desempenhos das escolas desde 2008.

O Proeb avalia, anualmente, as habilidades dos alunos ao final de cada etapa de escolaridade para obter o retrato da proficiência dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática — 5º e 9º anos do ensino fundamental e no 3º ano do ensino médio, cujos resultados servem de parâmetro para as escolas na elaboração do projeto pedagógico.  

De acordo com a SEE, o resultado do Proeb 2013 mostrou que os estudantes avançaram consideravelmente. No 5º ano do ensino fundamental, o percentual de estudantes no nível recomendado de desempenho em Língua Portuguesa passou de 45,6% em 2012 para 46,5% em 2013. No 9º ano o crescimento foi mais significativo. Em 2012, o percentual de alunos no nível recomendado era 34,8% e em 2013 foi de 40,5%. 

Já no 3º ano do ensino médio o crescimento também foi expressivo, passou de 30,7% para 36,4%. Em Matemática, o destaque ficou para os estudantes do 5º ano do ensino fundamental. Nesse nível, o percentual de estudantes no nível de desempenho recomendado passou de 60% em 2012, para 61,7% em 2013. Nos demais níveis avaliados — 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio — o percentual de estudantes nesse nível ficou estável. No 9º ano, o percentual passou de 23,2% para 22,9% e no 3º ano passou de 3,75% para 3,85% de um ano para o outro.

Em Sacramento, 12 escolas fizeram a avaliação, sendo 9 da rede municipal: Cel. José Afonso de Almeida/Desemboque, avaliados 3 alunos em Língua Portuguesa e 2, na Matemática;  Cel. Júlio Borges/Jaguarinha; Comendador Hugo Rodrigues da Cunha/Sete Voltas; Dona Maria Sant Anna/Quenta Sol; Dr. Djalma Afonso do Prado/Divisa; Nana Kubitschek de Oliveira/Jaguara e, na cidade, Dr. João Cordeiro, Luiz Magnabosco e Profª Sílvia Vieira. E quatro estaduais, Afonso Pena Jr, Barão da Rifaina, Coronel José Afonso de Almeida e Sinhana Borges. A melhora no nível de proficiência foi considerável, exceto na Matemática no Ensino Médio. 

O destaque é para a EM Cel. Júlio Borges (10 alunos fizeram as provas de Língua Portuguesa e Matemática) e obtiveram a melhor média, 283,4 em Língua Portuguesa e 326,0 na Matemática. Também os cinco alunos do 5º ano da escola Naná Kubitschek brilharam na Matemática, alcançando média 305,5. No 9º ano, a melhor média na Matemática foi dos 13 alunos da Escola Dona Maria Sant´Ana , 277,7. 

 Dentre as escolas estaduais, os 40 alunos do 5º ano da Escola Afonso Pena tiveram o melhor desempenho em Língua Portuguesa (281,8) e na Matemática (293,7). No 9º ano, o melhor desempenho em Língua Portuguesa (264,9) e Matemática (274,2) ficou com os 50 alunos da Escola Sinhana Borges. E, no Ensino Médio, o destaque é para os 17 alunos da  Escola Barão da Rifaina, que tiveram o melhor desempenho em Língua  Portuguesa (284,9) e Matemática (297,2).

 Confira o desempenho das 12 escolas na tabela mostrada nesta página.

 

Que análise a escola deve fazer

Na análise feita pelas escolas deve-se levar em consideração o nível de proficiência alcançado em relação ao ano anterior de sua própria escola. Já a comparação feita com outra escola não pode ser levada em consideração sem que as condições sócio econômicas das famílias, do meio, do estado físico do prédio, da quantidade de alunos que participou do exame, etc, sejam também comparadas. Cada escola deve se ater ao essencial que é: melhorou o nível de minha escola em relação ao ano passado? Quais as causas que levaram à diminuição do nível de proficiência, ou sua estagnação no mesmo patamar?