Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Em visita a Sacramento, superintendente da 39ª SRE oficializa municipalização

Edição nº 1769 - 12 de Março de 2021

Sob o olhar da diretora da 39ª Superintendência Regional de Uberaba, Vânia Célia Ferreira, o secretário de Finanças da Prefeitura, Cleber Silveira, representando o prefeito Wesley De Santi de Melo, entregou as chaves da agora, Escola Municipal Afonso Pena Jr, à diretora Maria dos Reis Venâncio, que vai administrar o estabelecimento com a vice, Flaviane Abadia Vieira, ambas servidoras da escola há vários anos. A cerimônia foi realizada, na manhã desta sexta-feira 12, no galpão da escola atendendo ao protocolo do distanciamento físico entre as pessoas. A EE Afonso Pena Jr completaria no próximo ano, 120 anos de existência.  

 

A diretora da SRE, antes da cerimônia, fez a conferência do patrimônio e o relatório da rede física do educandário para a entrega à Prefeitura e oficializou a municipalização da escola. “De acordo com o termo de convênio e parceira entre o Estado e o município, todo o patrimônio que está aqui, que foi adquirido pela Caixa Escolar em nome do Estado, passa a fazer parte do patrimônio do Município”, explicou Vânia Célia em entrevista ao ET.

Sobre os servidores, Vânia Célia informou que, aqueles que quiseram permanecer na escola, vão  continuar. “São nove professores que ficarão em adjunção na escola. Para os demais efetivos, saiu hoje a mudança de lotação para as escolas da cidade, que eles escolheram. Pelo convênio, os professores efetivos que permanecem na escola serão pagos pelo Estado durante um ano, fazendo jus aos benefícios, mas nada impede que, no decorrer do ano, seja discutida a questão com a Secretaria de Estado da Educação (SEEMG). Caso isso não ocorra, a partir do próximo ano, eles serão lotados noutras escolas estaduais, de acordo com a habilitação de cada um”. 

Perguntada sobre como vê a municipalização, Vânia voltou à LDB para justificar. “Estou na Educação há 35 anos e nós sempre convivemos com essa questão, ao município cabe atender as séries iniciais e ao Estado o ensino médio e os cursos profissionalizantes”. 

Segundo a diretora, o governador Romeu Zema está priorizando isso, para que o Estado possa investir mais nos cursos de sua competência. “A prioridade do estado no momento é investir mais no ensino médio, criando mais escolas técnicas, mais cursos”, ressaltando que não está tirando nada da comunidade. “Apenas a gestão será transferida para a Prefeitura, que vai assumir a responsabilidade com a escola e o atendimento aos alunos”. 

De acordo com a superintendente, a escola Afonso Pena não é a única da cidade com as séries iniciais. “A EE Sinhana Borges, que oferece os anos iniciais, a municipalização também pode acontecer. A escola Afonso Pena foi a primeira, porque era a única exclusiva nos anos iniciais”, Questionada se estava satisfeita com a municipalização, que contrariou a comunidade escolar, lacônica, foi categórica ao afirmar: “Isso é uma opinião pessoal. Eu, enquanto superintendente faço o que está dentro da Política Educacional do Estado de Minas Gerais”. 

 

O momento é de arrefecer os ânimos

 

Ouvida pelo ET, a nova diretora da agora EM Afonso Pena Jr, Maria dos Reis Venâncio lembrou que leciona na escola desde 2009, com um lapso de dois anos, 2013/14, quando se afastou para assumir a supervisão na EM Sílvia Vieira. Em 2015 retornou à Afonso Pena, dobrando cargo com a EE Sinhana Borges, até os dias de hoje. 

“- Aqui sempre trabalhei como professora regente de turmas, lecionando em todas as séries do 1º ao 5º ano. Quando eu não estava aqui, estava na Sinhana Borges. Então é uma história de dez anos na educação estadual, sempre no ensino fundamental e uma história também na educação infantil onde estão os nossos alunos, que agora passam para a rede municipal”.

 A diretora Maria dos Reis é formada no curso Normal Superior, especializou-se em Orientação, Supervisão, Administração e Inspeção Escolar e hoje cursa Psicopedagogia. “A questão pedagógica é o que mais me motiva na educação e me encanta. A razão de ser da escola é o aluno”, afirma.  

Em resposta ao repórter sobre como vai administrar esse desgaste emocional vivido pela escola, foi tranquila e segura ao responder. “Neste primeiro momento, após todo o processo de municipalização, vamos arrefecer os ânimos de todos os servidores. Vamos focar em levar até os pais a consciência e a certeza que tenho de que a escola vai continuar fazendo o que sempre fez, mantendo seu excelente trabalho. Nossa equipe pedagógica continua a mesma, os professores, que sempre trabalharam na escola são os mesmos que trabalham na rede municipal e na rede particular de Sacramento. Conheço toda a equipe de profissionais da educação do 1º ao 5º não, justamente por trabalhar tanto na rede estadual quanto na municipal”.