Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Comércio inicia campanha de ajuda aos necessitados

Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Inaugurada há um mês, completos no dia 22, a Padaria, Confeitaria e Lanchonete Canecão, na praça Cônego Hermógenes (Praça da Rodoviária), do casal Luiz Carlos Borges e Lúcia Helena Alves aderiu à uma campanha iniciada em Sacramento através de um pedido feito pela página da internet, 'Acontece Sacramento'. A ideia lançada foi dirigida aos proprietários de casas comerciais que trabalham com a venda de pães, roscas, quitandas e salgados, para que, as sobras do dia anterior, normalmente, descartadas, fossem distribuídas entre famílias mais necessitadas. 

 

“A Lanchonete e Padaria Canecão aderiu à campanha, aliás, um iniciativa que já fazíamos em S. José do Rio Preto, onde morávamos e mantínhamos uma lanchonete”, lembrou Lúcia, explicando que “não se trata de doar alimento vencido, quitanda vencida, mas guloseimas e alimentos que não ficam para o dia seguinte. Colocamos uma mesa com pães, roscas, bolos... todos bem embalados para aqueles que estão passando necessidade”, afirma Lúcia, ressaltando que sempre fez esse tipo de doação. 

“- Sempre fizemos essas doações. Tivemos uma padaria em São José do Rio Preto (SP) durante 24 anos, e sempre estávamos ajudando. Se os alimentos sobram e podem ser aproveitado, por que não doar? Aliás, já até fui criticada por isso, porque muitos acham que algumas pessoas não têm necessidade, podem trabalhar e conseguir seu salário. Eu respondia: 'Essas quitandas são destinadas aos que não têm um pão para comer no café da manhã. Se esses que não precisam desse auxílio, pegam o pão do pobre, do necessitado, problema deles. Eu, nós, fazemos nossa parte”, pondera Lúcia. 

Lúcia completa explicando que, “todos os dias colocamos a mesa de fora, as pessoas vêm pegam, algumas até perguntam se podem pegar e tem gente, inclusive que pega para levar para outros que precisam e não podem vir. O fato de colocar a mesa do lado de fora tem sentido, é porque há pessoas que ficam com vergonha de pedir, de entrar, e estando ali, às vezes, mesmo que sem jeito, algumas perguntam se podem pegar... Sim, Pode pegar quem quiser”.

Luiz Carlos, destacando que a doação não e é pra promover o estabelecimento, mas para ajudar aqueles que precisam e despertar outros comerciantes a colaborarem com os mais necessitados. “Esperamos que outros comércios se conscientizem também, porque tem muita gente precisando de ajuda, especialmente neste tempo de pandemia”, conclama. 

De acordo com Lúcia Helena, há vários comércios do setor ajudando. E aproveita para dar uma outra sugestão aos veículos de comunicação para levar o seguinte recado à população em geral, através dos jornais, rádios, redes sociais: “As famílias que passam por dificuldade, que estão desempregadas, coloquem nas janelas de suas casas um pano branco. Assim, aqueles que puderem e quiserem fazer essa corrente do bem, vão identificar essas famílias e poder ajudar”. 

Finaliza, fazendo uma bonita reflexão. “Hoje, estamos tendo uma lição com essa pandemia: somos todos iguais, somos seres humanos, brancos, negros, ricos pobres e todos passando por isso. Então, temos nos ajudar e ajudar o próximo. Tem muita gente precisando de ajuda e muitos ajudando. Se todos os comércios aderirem a essa causa, as pessoas não vão passar fome, nem dificuldade na alimentação. Para mim, a fome deve ser doída demais, triste demais”. 

O ET foi informado que outras casas comerciais do setor estão fazendo o mesmo, como a Mercearia Borges, Panificadora do Adão e Supermercado Renata. Parabéns a todos.