Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1742 - 28 de agosto de 2020

A Saúde nos 200 anos de Sacramento

Edição nº 1741 - 24 de agosto de 2020

Recebi o desafio de falar sobre 200 anos de Saúde em nossa Sacramento num tempo de pandemia que acomete o planeta. Difícil tarefa para alguém que não é historiador, porém, grande parte de minha vida foi dedicada a esse setor e, por isso, me sinto mais à vontade e apto para dizer e registrar ações e situações que pude vivenciar ao longo de minha história. 

Falar de 200 anos de Saúde é falar de uma enorme evolução, grandes avanços, e muitos desafios! Antigamente, ser considerado saudável era simplesmente, não apresentar nenhuma enfermidade. Hoje, falar de saúde vai muito mais além do que apenas “ausência de doenças”. Durante esse período, foram muitos os avanços conseguidos. Entre esses momentos indeléveis, o maior deles, está a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), aprovado pela Carta Cidadã através da Lei Federal nº. 8.080/1990, garantindo à população o direito à saúde, universal e gratuita e a sobrevivência das Santas Casas de todo o país. Sem dúvida, a pedra angular de todos esses avanços, a criação de nosso SUS! Sim, o NOSSO! Ele é de todos nós, sem distinção. Tem como princípios a universalização; a equidade; e a integralidade. Há quem possa recordar os tempos em que a assistência de saúde era prestada somente aos trabalhadores vinculados à Previdência Social, os demais cidadãos dependiam do atendimento de entidades filantrópicas. O SUS, um dos maiores e mais complexos sistemas de Saúde pública do mundo, veio para garantir a todos, não só os cuidados assistenciais, mas também para propor a qualidade de vida como foco, visando a prevenção e a promoção da Saúde.

Falar de Saúde é falar de dedicação ao próximo, é falar do trabalho realizado para ver o outro melhor, é falar de cuidado, é falar de doação. Considero Sacramento uma cidade privilegiada, já que contou e ainda pode contar com diversas pessoas que realmente “praticaram/praticam a Saúde”. Eurípedes Barsanulfo, João Canudo, as Irmãs de São José de Cluny, Nininha, Dr. Milton Skaff, Dr. Francisco, Dr. Fábio, Dr. Adilson, Dr. Clemente, Dr. José Valadares, Dr. João Cordeiro, são alguns dos muitos que contribuíram. 

Hoje, temos Dr. Bereta, Dr. Fernando, Dr. Leandro, Dr. Biro... dentre tantos outros excelentes profissionais que integram a nossa atual equipe de saúde, seja da Secretaria, seja da Santa Casa, não somente médicos, mas todo profissional que trabalha no Sistema e colabora para que tudo funcione. Enfim, temos um “exército” inteiro para homenagear, gente que se doa pelo bem-estar do próximo. 

Muito me orgulho de ser um profissional da Saúde, de ter quase “uma vida” dedicada à odontologia e, além disso, de ter tido a oportunidade de, por duas vezes, assumir a enorme responsabilidade de ser o Gestor do SUS em nossa Sacramento. 

São muitos os momentos que deveriam ser considerados nessa longa história bicentenária da saúde no município. Além do SUS, já citado, outros três momentos foram significativos ao assinalar o antes e o depois de tão importantes datas, o primeiro aconteceu no dia 1º de junho de 1928, quando três homens, o juiz Francisco Cândido da Gama Jr, o vigário Cônego Julião Nunes e o prefeito Júlio Borges, e uma mulher, Eloisina Affonso da Cunha publicaram um anúncio no jornal A Semana convidando outros 35 senhores entre empresários, políticos, profissionais liberais para uma reunião no Paço Municipal. Naquele dia foi fundada a Santa Casa de Misericórdia de Sacramento, que começou a funcionar no antigo 'Asilo dos Velhos', ali permanecendo durante 16 anos.

O segundo, aconteceu em 17 de setembro de 1944, quando é inaugurado o primeiro prédio da Santa Casa, em terreno doado pelo casal Riceiro Lenza e Geralda Faleiros Lenza.  E o terceiro, o dia 2 de janeiro de 1960, lembra a chegada das irmãs da Congregação de São José de Cluny, Madre Antônia Fernandes, Ir. Maria Benigna de Jesus Martins, Ir. Mafalda do Menino Jesus e Ir. Izabel Vieira e Tereza Vaz para assumir a direção da entidade, ali permanecendo até 2010. 

A partir daquele primeiro nosocômio junto aos velhinhos aos dias de hoje, as administrações municipais vieram se sucedendo, cada uma dando sua contribuição. Hoje, a principal parceira da Santa Casa é a Prefeitura, da contratação de mais profissionais, às reformas, ampliações, aquisições de equipamentos cirúrgicos, medicamentos, o SUS vem à frente, além dos recursos próprios, que se expandem para fora dos hospitais através de muitos outros projetos que se transformaram em programas dada sua significância, como Saúde da Família; Centro de Atenção Psicossocial; Centro de Especialidades Odontológicas; Laboratório Regional de Prótese Dentária; Saúde Bucal, Núcleo de Assistência à Saúde da Família; as UBSs dos bairros; a Academia Viva; o Programa Cidade Viva; Agentes Comunitários de Saúde; Programa Melhor em Casa, assistindo em casa os acamados e internos do Lar São Vicente; serviço especial para cuidados de Álcool e Drogas; Saúde Prisional; aumento de Médicos Especialistas no CRES; o Projeto Fila Zero...

Mais avanços foram conseguidos para o município como: o Projeto Bandeira Científica, da Universidade de São Paulo (USP); Programa Academia Viva; parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que, através do IdeiaSUS, publicará um livro com práticas de Saúde em destaque, no qual, um dos capítulos será destinado às práticas realizadas em Sacramento.

A profilaxia, procedimentos e recursos para prevenir e evitar doenças, como medidas de higiene, atividades físicas, cuidado com a alimentação, vacinação passaram a fazer parte do calendário da Saúde de todos os governos. Academias ao ar livre, ginásios de esportes construídos, centros de fisioterapia, ginástica funcional, centro de convivência para idosos... Imunizações às doenças do século, febre amarela, dengue, zica, chikungunya e agora, enfrentando com toda coragem, cuidado e resiliência essa terrível Covid-19 que assola o mundo. 

Além do vírus e da doença, ela nos trouxe também o medo, o distanciamento, e a impossibilidade de trabalhar da forma cotidiana. As atividades da Academia Viva e os serviços eletivos tiveram que ser suspensos. A criação de novas formas de atendimento foi necessária. Com fé em Deus, confiantes no trabalho da ciência e atentos às recomendações das autoridades sanitárias vamos vencer.

 E assim, concluo dizendo que falar de saúde, é também falar do coletivo. É falar sobre a responsabilidade de cada um com o próprio bem-estar e integridade, mas também com o do outro, mesmo não sendo um profissional da área. Em meio a essa Pandemia, previna-se, cuide-se, pensando não só em você, mas também no próximo. Vamos todos “fazer saúde”! Vamos lutar juntos, cada um fazendo sua a parte, e marcar os 200 anos de nossa Sacramento com uma grande conquista, vencendo o maior dos desafios. Assim, logo poderemos voltar a disfrutar daquilo que lutamos tanto para construir. 

 

Reginaldo Afonso dos Santos é Cirurgião Dentista especialista em Prótese Dental e atual Secretário Municipal de Saúde.