Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Saudades... A Deus Ariston, nosso presidente de honra

Edição nº 1732 - 19 de Junho de 2020

Depois de 35 dias de coma profundo, morreu em Uberaba, no Hospital São Marcos, aos 72 anos, o jornalista e companheiro, Ariston Timóteo de Almeida (foto), Presidente de Honra deste jornal. Vítima de uma parada cardíaca, Ariston deu entrada no hospital no dia 1º de maio e permaneceu em coma profundo até sofrer outra parada cardíaca vindo a óbito no último domingo 14. Velado em Uberaba, nas primeiras horas do dia, às 11h seu corpo foi trasladado para Sacramento e velado no Velório Maurício Bonatti até às 16h. Após as exéquias foi sepultado no Cemitério São Francisco de Assis. 


Funcionário Público da Prefeitura Municipal de Sacramento, o jornalista Ariston Timóteo de Almeida deixou uma longa folha de excelentes serviços prestados à municipalidade. Moço inteligente e de grande domínio da língua, formado em Contabilidade, logo se firmou como um profissional competente e responsável, o que lhe valeu a participação no primeiro escalão de vários prefeitos, tanto em Sacramento como em Conquista, para onde se mudou em 1973, devido a divergências políticas com o prefeito entrante. Naquela cidade conheceu o grande amor de sua vida, Maria de Lourdes Timóteo de Almeida, com quem teve dois filhos, Andréia e Anderson. 

De 1º de julho de 1973 a 31 de dezembro de 1988 foi secretário ou oficial de gabinete dos prefeitos. Em julho de 89 transferiu-se para a Secretaria da Câmara Municipal onde permaneceu até março de 1993, quando se muda para Uberaba, e onde continua sua lida, não mais nos campos contábeis e das letras, mas no do comércio varejista, uma mercearia localizada num logradouro que o prendia às suas origens, rua Sacramento, 311. 

Além do legado familiar de esposo amoroso, pai, avô e bisavô devotado aos filhos, netos e bisneto, além do funcionário exemplar e competente, o jornalista Ariston Timóteo de Almeida deixou escrito 14 anos de histórias sobre aquela terra abençoada por São Bom Jesus da Lapa, através do jornal Tribuna de Conquista, que fundou e fez circular de 1979 a 1993.

 

Vou contar a vocês um pouquinho sobre o meu avô Ariston...

 

Ele é uma grande pessoa (isso mesmo, vou falar no presente porque ele está vivo e ficará sempre assim no meu coração), é um grande jornalista, o melhor do mundo! É a pessoa que me incentivou a ler sempre (conselho de avô não tem prazo de validade), quem corrigia minhas redações, quem eu pedia opinião quando fiz o discurso para os pais na minha colação de grau. E como ele ficou feliz quando me formei... Para ele foi o acontecimento do ano! Ele escreveu a homenagem mais linda que eu poderia receber e mandou para o jornal... Meu 'Vôrito', me chama de 'Bibileia'. E eu aprendi esses dias que se eu me concentrar em silêncio eu consigo sentir e ouvir a voz dele, um vozerão, daqueles que quando chama a atenção por algo errado, quando a gente ainda é criança, sai correndo. 

Eu havia combinado com meu avô que ele viveria 150 anos e agora estou aqui com essa saudade enorme e as melhores lembranças do tempo que Deus permitiu que estivéssemos na presença um do outro! Se eu pudesse, daria a ele uns anos da minha vida, para aproveitar mais a atenção que ele me dava, a sensação de ter a mão gigante dele apertando a minha e dando tapinhas na costas de, “você demorou a vir aqui”.

Só tenho a agradecer por ter passado esse tempo aprendendo com ele!!! 

* Vô, hoje lembro dos nossos momentos juntos com lágrimas e sorrisos e pensarei sempre em você com carinho... até que possamos nos encontrar de novo! Amo você!

 

Gabi (neta)


Lembraremos pra sempre do bom pai e avô que foi

 

Que falta sentiremos de você vô, que partiu deixando em nós a saudade do Homem pilar da família, que sempre ajudou, orientou, educou e amou a todos nós. Talvez não tenha lhe dito em palavras o quanto te amo e me espelho em ti, mas é que palavras não expressariam toda minha admiração e respeito.

Sei que é uma singela homenagem, que em meio a sua pequenez, me faz lembrar dos grandes momentos que estivemos juntos, desde uma apresentação de Dia dos Pais, na escola, quando ainda era pequeno. Até nas minhas maiores conquistas o senhor esteve presente, e sei que continuará guiando os meus passos aí de cima.

Lembraremos pra sempre do bom pai e avô que foi, e como eu queria ter tido mais tempo com você, pra deixar você contar sua história pro Ariston Benjamin, para que como eu, ele se orgulhasse da grandeza do seu nome. Espero que aí de cima olhe por nós, e saiba que reconhecemos todos os seus esforços e abdicações. Obrigado por fazer parte da nossa história 

Te amamos hoje e sempre!

 

Fabiano de Almeida Ferreira (Neto )

 

O Ariston não deixa o prefeito errar

 

Prefeito Baguá, embora não o tenha conhecido pessoalmente, lamentou muito a morte do jornalista sacramentano Ariston Timóteo de Almeida, ocorrida neste dia 15. “Não cheguei a conhecê-lo, mas sei de sua fama como servidor público, conheço um pouco de sua história e o que representa e representou para Sacramento e cidades vizinhas. E é com pesar que recebemos a notícia de sua morte. A toda família, nossos sentimentos”.  

O ex-prefeito José Alberto Bernardes Borges conheceu Ariston e teve oportunidade de tê-lo como secretário. “Quando ingressei na prefeitura, eleito pela primeira vez (1971/72), Ariston era Auxiliar de Contabilidade e trabalhava com Mário Afonso de Almeida, com quem tinha brigas feias. Embora não fosse meu partidário, eu o admirava pela competência e o levei para o gabinete como secretário. E virou meu fã. A mim não me interessava se era meu partidário ou não, se fosse competente ficaria ao meu lado e Ariston era muito competente, escrevia muito bem e combinávamos demais. 

Ao assumir a Prefeitura como meu sucessor, o então prefeito Hugo Rodrigues da Cunha, o demitiu e ele foi convidado para trabalhar na Prefeitura de Conquista, onde trabalhou com vários prefeitos”, recorda, destacando suas qualidades. “Uma pessoa muito boa, muito inteligente, muito  competente... Lamento a sua morte e peço que Deus o  receba a seu lado”. 

De Conquista, cidade coirmã de Sacramento serviu de porto para o jornalista Ariston Timóteo durante 14 anos. Lá deixou grandes amigos. Dois deles lembram o jornalista, fundador e editor do Tribuna de Conquista e do competente funcionário público.