Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº1733 - 26 de Junho de 2020

Saudades...

Edição nº 1731 - 12 de Junho de 2020

Aos 73, morre Horácio Cardoso

 

O produtor rural Horácio Cardoso Neto morreu no último dia 5, no Hospital Uberlândia Medical Center aos 73 anos, vítima de parada cardíaca. Internado em Uberaba devido a uma hemorragia renal, em abril foi transferido para Uberlândia, onde permaneceu por dois meses. Após tratamento, seu quadro clínico veio sempre melhorando, chegou a iniciar a reabilitação com fisioterapeuta e fonoaudiólogo, até que, na madrugada do dia 5 de junho, sofreu uma parada cardíaca. 

Trasladado para Sacramento, seu corpo foi velado no Velório Maurício Bonatti por familiares e amigos. Após as exéquias proferidas pelo diácono Marcos Vinícius, foi sepultado no Cemitério São Francisco de Assis. Viúvo de Geralda Cardoso da Silva, Horácio deixa as filhas, Cristiane, Aline, Gabriela e Samanta e quatro netos. 

Natural do Quenta-Sol, Horácio era filho de Maria Cândida Garcia e Joaquim Horácio Cardoso, um dos mais tradicionais fabricantes de cachaça do município, de quem herdou a arte e a técnica para continuar a fabricação da famosa Cachaça Serenata. À sua lida rural, juntava também a figura de um líder na comunidade, sempre prestativo e solidário. Com seu caminhão Chevrolet Brasil, além de transportar sua cachaça por toda região, Horácio servia as necessidades do povoado no transporte de colheitas para os vizinhos, levando o time de futebol do povoado às comunidades rurais e, até mesmo, ajudando no traslado de pessoas falecidas para sepultamento no Desemboque. 

 

Viúvo aos 32 anos, Horácio não se deixou abater, como lembra a filha Cristiane: “Papai foi um pai a frente dos tempos, não mediu esforços para uma boa formação de suas filhas.  Trabalhador, honesto, generoso, prestativo, com seu carisma ficou conhecido em toda Sacramento e região. Sempre aproveitou a vida ao seu modo, levando alegria e vivacidade aos bailes. No fim de sua missão, ainda conseguiu curtir os netos de igual pra igual, voltando a ser criança”.