Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1742 - 28 de agosto de 2020

Nem mesmo a pandemia tirou o brilho da cerimônia religiosa pelos 200 anos da cidade

Edição nº 1742 - 28 de agosto de 2020

Uma missa solene presidida pelo pároco Pe Ricardo Fidelis Marques e concelebrada pelo representante do arcebispo Dom Paulo Mendes Peixoto, o sacramentano Pe Otair Cardoso, seguiu-se após a adoração, em ação de graças pelos 200 anos de bênçãos que o Santíssimo Sacramento jorrou ao município. Durante a celebração, as imagens dos patronos da cidade, São Miguel Arcanjo, São Sebastião e Divino Espírito Santo foram colocadas no altar central ao lado da padroeira Nossa Senhora do Patrocínio do Ssmo. Sacramento.  

Devido à pandemia e com a suspensão da participação de fiéis nas celebrações, um número pequeno de pessoas marcou presença. Além das superioras religiosas da cidade, Ir. Maria das Dores Montes da Silva e Ir. Cecília de Freitas e demais irmãs, participaram da cerimônia o prefeito municipal, acompanhado da primeira dama, Maria Teresa Abrate Melo; presidente da Câmara; alguns vereadores e, também, a presidenta da  Comissão Organizadora dos 200 Anos, Maria Amélia Alcântara e demais membros. Representando a arquidiocese de Uberaba, Pe Otair Cardoso, filho desta terra, que trabalha na paróquia de Nossa Senhora de Lourdes, em Uberaba, que concelebrou a missa com o reitor e pároco da Basílica, padre Ricardo Alexandre Fidelis.

 

Pedra fundamental da cidade 

As leituras bíblicas daquele dia evidenciam a dinâmica da fundação de Sacramento. Destacando o Evangelho de João 6-51 “Eu sou o Pão Vivo descido do céu; quem come deste pão, viverá eternamente; quem come a minha carne e bebe meu sangue permanece em mim e eu nele”, o pároco afirmou que essa passagem bíblica “foi a semente de trigo, divina que o cônego  Hermógenes, fundador da cidade, plantou nesta terra: a Eucaristia, o Santíssimo Sacramento, é Jesus, o pão vivo descido dos céus. Certamente, ele já olhava lá adiante, em que homens e mulheres necessitariam do alimento para poderem edificar esta cidade e o alimento não poderia ser outro, senão o próprio Cristo. É Jesus Sacramentado, portanto, a pedra fundamental da cidade de Sacramento”, frisou, refletindo sobre as leituras do dia. 

“Aqui, neste lugar onde nos encontramos, tudo começou há 200 anos com o Santíssimo Sacramento”, disse, refletindo sobre as profecias de Ezequiel e o Livro do Apocalipse. Em ambos, evidenciando a fundação de Sacramento alicerçada no Santíssimo Sacramento. “Cidade bem alicerçada na fé, nos princípios cristãos, princípios éticos e morais. Uma cidade protegida pela graça de Deus, pela intercessão de seus protetores Nossa Senhora do Patrocínio do Santíssimo Sacramento, Divino Espírito Santo, São Miguel e São Sebastião.  Uma cidade acolhedora. Quantos homens e mulheres, ao longo desses 200 anos, encontraram aqui abrigo e aqui estabeleceram suas vidas e constituíram suas famílias”, afirmou.

Padre Ricardo concluiu a reflexão destacando que “historicamente, não há como negar que Sacramento é filha da Santa Igreja. A providência divina quis que celebrássemos estes 200 anos da mesma forma como tudo começou. Nesse contexto pandêmico em que nos encontramos, não foi possível realizar grandes eventos, shows, espetáculos, aglomerações, mas estamos aqui onde cônego Hermógenes esteve para uma missa e a bênção do Santíssimo Sacramento há 200 anos, com algumas poucas pessoas, como estamos nós neste momento. Mas não podemos dizer somente isto, porque para quem tem fé isto é tudo, quis a divina providência que tudo acontecesse como aconteceu há 200 anos”. 

 

Cura e esperança de dias melhores para a nossa cidade e todo o mundo...

 “Completamos dois séculos desde que o Cônego Hermógenes Cassimiro de Araújo Brunswik deu início à sua obra de fé: um cruzeiro, depois um oratório e mais tarde uma capela erguida à margem esquerda do ribeirão Borá. Esta capela foi o marco para a fundação da nossa cidade, que como consta na Ata da Fundação, deveria ser um lugar de espiritualidade, um “pasto espiritual” do antigo sertão, por isso, o nome de Santíssimo Sacramento. Ao celebrarmos o Bicentenário de Sacramento dentro da Basílica Menor do Santíssimo Sacramento apresentada pelo Patrocínio de Maria, nosso olhar se enche de esperança e com Maria repetimos: 'O Senhor fez em mim maravilhas, Santo é o seu nome'”. 

Na sua Ação de Graças, Amélia também anotou a semelhança dos fatos históricos. “Podemos perceber uma grande semelhança com o longínquo 24 de agosto de 1820: neste local, encontravam-se reunidos cônego Hermógenes e algumas poucas pessoas, não houve alarde na fundação da cidade, nada de fogos, músicas, festejos... o sentido maior estava ali, presente no Santíssimo Sacramento apresentado pelo Patrocínio de Maria... 24 de agosto de 2020... Estamos aqui, nosso pároco, Pe. Ricardo, algumas poucas pessoas, sem alarde, nada de fogos, músicas e festejos, mas unidos pelo sentido maior na presença do Santíssimo Sacramento”. 

Sobre aqueles fatos que se repetiam, perguntou: “O que Deus nos quer mostrar diante desta coincidência? Quantos projetos de comemoração para este bicentenário tivemos que abandonar? Havíamos planejados shows, projetos, espetáculos e de repente tudo teve que ser suspenso devido ao 'novo normal'. E dentro deste novo normal e de tudo que temos enfrentado durante a pandemia, tivemos urgência em buscar DEUS, mais do que nunca, para nos amparar neste momento de medo e angústia. Freamos nossos afazeres, nossos compromissos e nos tornamos introspectivos, mais próximos da família, da natureza, dos hinos de louvor que acalmam nosso coração e nos enchem de esperança. De uma forma repentina nos sentimos conectados às famílias, mesmo que desconhecidas, que estão sofrendo com a doença e a morte trazidas pelo vírus”.  

Pedindo ao Santíssimo Sacramento e a Maria “cura e esperança de dias melhores para a nossa cidade e todo o mundo!”, a oradora concluiu: “É preciso sacudir o pó das sandálias que se acumularam ao longo da história, é preciso abandonar velhos esquemas mentais e fundamentalistas e tornarmo-nos, com audácia e criatividade, verdadeiros discípulos autênticos de Jesus Cristo. (...) Foram dados passos extraordinários durante esses 200 anos de história, porém, continuar caminhando é preciso. Deixemo-nos seduzir pelo Seu Espírito! Somos gratos por pertencermos a uma cidade bicentenária, erigida à luz do Santíssimo Sacramento sob o Patrocínio de Maria! Tenhamos o mesmo pensamento de Santo Afonso Maria de Liguori: 'Fazer tudo, como se tudo dependesse de nós, sabendo, contudo, que tudo depende de Deus' ”. 

 

Quem tem o Espírito Santo tem tudo...

O ex-prefeito José Alberto Bernardes Borges também fez um agradecimento pelos 200 anos. Voltado para a Sacrário, saudou a Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo e, dirigindo-se aos presentes, lembrou ‘‘as lutas e trabalhos do povo que faz a história desta terra e que tem o Deus Vivo como seu protetor”, evocando a égide sob a qual a cidade foi fundada.  

Lembrando a proclamação de nossa Senhora do Patrocínio do Santíssimo Sacramento, como Padroeira do município,  em 1982 e os patronos Divino Espírito Santo, São Miguel e São Sebastião, conforme decreto que ele mesmo assinou, quando prefeito da cidade, José Alberto  afirmou: 

“Quem tem o Divino Espírito Santo tem tudo, quem tem Miguel Arcanjo tem um grande guerreiro em sua defesa, quem tem Sebastião, tem um poderoso intercessor contra a peste que estamos atravessando. Que felicidade a nossa! Não podemos comemorar gloriosamente, mas diante do altar do Senhor oferecemos através da mãos sacerdotais o próprio Deus que todos os dias nos protege e abençoa”. 


Homenagem

Finalizando a celebração, ao som do Hino de Sacramento, ao lado da imagem da Padroeira, o reitor da Basílica, Pe Ricardo Fidelis e Maria Tereza Abrate descerraram a placa comemorativa dos 200 anos. A seguir, acompanhados pelos presentes, Pe Ricardo e José Alberto, dirigindo-se até o monumento onde repousam os restos mortais do fundador da cidade, Cônego Hermógenes Cassimiro de Araújo Brunswick, depositaram sobre a lápide uma coroa de flores em sua homenagem.