Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº1733 - 26 de Junho de 2020

Meteoro passa por três estados e explode na região de Tiros

Edição nº 1727 - 15 de Maio de 2020

Um meteoro muito luminoso (bólido) cortou os céus de três estados, São Paulo, Minas Gerais e Paraná e foi gravado por oito câmeras  na madrugada da última sexta-feira 8.  As últimas imagens foram captadas pela câmera da torre da NTV, de Patos de Minas e teria explodido a uma altura de 30 km, na região de Tiros, município com pouco mais de seis mil habitantes, na microrregião de Patos de Minas, no Alto Paranaíba.

 De acordo com BRAMON – Brazilian Meteor Observation Network/ Rede Brasileira – na manhã de 8 de maio, após inúmeros relatos de um grande clarão seguido por forte barulho de explosão na região de Patos de Minas, solicitou a pesquisa de imagens das câmeras do www.climaaovivo.com.br, que possui 130 câmeras espalhadas em 17 estados, sendo 26 em Minas Gerais. Foram então identificadas imagens do fenômeno em oito câmeras de  sete  cidades, três de Minas  Gerais (Lagoa da Prata, Oliveira,  Divinópolis), três em São Paulo (São Paulo,  Cerqueira Cesar, Araçoiaba da Serra) e uma no Paraná (Telêmaco Borda). O final da trajetória foi registrado pela NTV de Patos de Minas, que forneceu as imagens.

O evento ocorreu na madrugada da sexta, às 03:25 (horário de Brasília) e trata-se de um meteoro muito luminoso, denominado “bólido”, cujo clarão foi também registrado por diversas câmeras de segurança de residências da região. Através das imagens, a Bramon pôde  calcular a trajetória.  Análises preliminares apontam que, “o bólido seguiu uma trajetória de Sul para Norte, iniciando sua fase de intensa luminosidade a cerca de 64 Km de altitude, entre Uberaba e Araxá.  Seguiu com luminosidade elevada na direção nordeste a uma velocidade 15,36 Km/s (55,3 mil Km/h), até explodir a 30 Km de altitude, próximo ao Município de Tiros”, informa o boletim. 

Segundo a BRAMON, as análises ainda estão sendo aprimoradas para que se possa determinar a massa inicial do objeto, mas as imagens sugerem que fragmentos, podem ter sobrevivido à passagem atmosférica e chegaram ao solo. Caso se comprove, os fragmentos serão objetos de pesquisas futuras.  A Bramon  informa ainda que a medida que os dados forem sendo refinados, serão atualizados e solicita que  quem  registrou este ou outro bólido, pode enviar o relato e as imagens para a BRAMON através do formulário disponível em bramon.imo.net,   e contribuir para o estudo destes fenômenos. 

 

Clarão assustou muitas pessoas 

De acordo com o jornal patense (triangulonoticias.com), o clarão que cortou o céu da região do Alto Paranaíba, assustou. Segundo o Triângulo Notícias foram relatos de moradores de Patos de Minas, Lagoa Formosa, Carmo do Paranaíba, Arapuá, Rio Paranaíba,  São Gotardo, Uberlândia e Lagoa da Prata.  “Várias pessoas acordaram assustadas no meio da madrugada com o clarão e relataram ter ouvido um estrondo. Já outras, disseram que avistaram uma bola de fogo no céu. Assim que amanheceu, imagens das câmeras de segurança confirmaram o fenômeno. Um meteoro adentrou na atmosfera e foi deixando um rastro luminoso no céu”. (Fonte: www.bramonmeteor.org/bramon/bolido-sobre-minas-gerais/e triangulonoticias.com)

Outro bólido foi registrado no interior paulista em abril

Câmeras da BRAMON e do Clima ao Vivo, registraram outro  grande bólido no interior de São Paulo na madrugada do dia  24 de abril. “O meteoro entrou na atmosfera às 05:24 UT (2:24 no horário de Brasília) com uma velocidade de 19 Km/s (68.400 Km/h) em um ângulo de 42,7° em relação ao solo. O meteoro começou a brilhar a 77,7 Km de altitude o sobre o município paulista de Fernandópolis. Seguiu na direção nordeste chegando a atingir a magnitude -11.7 quando explodiu e se extinguiu a 27,4 Km de altitude sobre o município de Riolândia, na divisa de São Paulo com Minas Gerais. O meteoro foi registrado por três estações BRAMON em Nhandeara, SP e  mais 7 câmeras do Clima ao Vivo, em Minas Gerais, nos municípios de Divinópolis, Lagoa da Prata, Oliveira e São Francisco de Paula, e três câmeras nos municípios paulistas de Barretos, Monte Azul Paulista e São Paulo.