Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº1733 - 26 de Junho de 2020

Cultura Leal já produz 2.200 toneladas de alho e gera mais de 200 empregos

Edição nº 1731 - 12 de Junho de 2020

Há quase dois anos em Sacramento, desde sua instalação, em setembro de 2018, a Leal Cultura Produtos Agrícolas Ltda veio para ficar. A afirmação é do sócio administrador da empresa, José Dalmo da Silva que, gentilmente, esteve na redação do ET, acompanhado de Elias Marques, consultor agrônomo da Vitória Agro, para falar sobre o empreendimento, que já está gerando mais de 200 empregos. A princípio, o objetivo da Leal Cultura é plantar, em áreas próprias e arrendadas no município, hortaliças de alho, cenoura e cebola, mas faz parte também do projeto uma futura industrialização.

 

Há mais de 5 mil anos

 

A cultura do alho é praticada há 5 mil anos a.C.. No Brasil chegou com as primeiras caravelas de Cabral e assim permaneceu, como uma hortaliça de fundo de quintal, até meados do século XX, quando começou a se expandir e chegar à produção atual, em torno de 130 mil toneladas tendo como maiores produtores em áreas plantadas,Minas Gerais, com 5,5 mil hectares; Goiás, 2,5 mil ha e RS, com 1,8 mil ha. Já o consumo, São Paulo e interior importam 80% do alho colhido na região; 10% vão para Belo Horizonte e os outros 10% para o Rio de Janeiro.

 “Longe ainda de alcançar a média de consumo do brasileiro, que consome um quilo e meio de alho por ano, o que equivale a 350 mil toneladas, metade da safra ainda é importada: a maior parte, 46,46%, vem da China; seguido da Argentina com 39,01% e da Espanha com 11,59%”, destaca Dalmo.

 

Geração de emprego

 

A cultura do alho, de acordo com José Dalmo, é um trabalho artesanal, 100% manual, a exceção do preparo da terra. “Desde o plantio, a condução, a colheita e o beneficiamento é tudo manual, razão de exigir uma grande mão de obra, com previsão de gerar cerca de 250 empregos num período de 11 meses, pois paramos um mês entre uma safra e outra”, disse, revelando a área já plantada.

 “A Leal Cultura tem hoje 116 hectares de alho plantados no município e mais 25 hectares de cenoura, que será ampliada para 50 hectares. Já para o próximo ano, estão previstos o plantio de mais 50 ha de cebola. Para cuidar dessa safra e manter as lavouras, nós tínhamos ainda um pouco de mão de obra de São Gotardo, mas a partir de 20 de junho estaremos compondo o nosso quadro de pessoal com cerca de 250 pessoas registradas”, adianta.

 

Arrendamento de terras


A empresa geralmente trabalha com terras arrendadas em regiões altas de cerrado, mais próprias para a cultura. “O alho é uma cultura que gosta de frio, por isso a terra ideal é aquela que está acima de mil metros. Estamos na fazenda perto do Ubirajá, que dá 1.140 metros de altitude e, também, na região de Sete Voltas com cerca de 1.200 metros. A cultura é irrigada através de pivô central, durante quase todo o ciclo, com exceção de 15 dias”. 

Toda a produção vai para os galpões da empresa, localizada na antiga Serraria Montana, onde é feito o trabalho de seleção e embalagem dos produtos. “Esse produto vai para o mercado todo classificado em tipos de cinco tamanhos: alho extra, alho especial, alho torto, alho comercial e alho tempero, embalado em caixas de 10 kg”, detalha Dalmo, salientando que tudo é feito manualmente, cabeça por cabeça. Ainda não é um processo industrializado, mas adianta o empresário que a industrialização do alho em temperos empacotados está nos planos da empresa para os próximos dois anos. “Por isso que dizemos que viemos para ficar. Marcos, outro sócio, e eu já estamos morando aqui”, revela.

 

A atuação da Vitória Agro na empresa Leal Cultura

 

O agrônomo Elias Marques explica como a Leal Cultura chegou a Sacramento. “José Dalmo nos procurou em agosto de 2018, durante a Fenacampo, oportunidade em que falou sobre a necessidade da empresa se expandir. A partir de então, apresentei-lhe a região de Sacramento que eu já conhecia e, no mês seguinte, ele já deu início ao preparo de solo, o manejo inicial de tratos culturais e, já em março de 2019, começaram o plantio aqui no município”, recorda Marques, que também é natural de São Gotardo. Como consultor da Vitória Agro, de Patos de Minas há mais de dez anos, dá suporte à Leal Cultura através da Agro Suporte, representante em Santa Juliana. 

“Damos apoio de acordo com as necessidades da empresa. Além da consultoria a Agro Suporte oferece toda uma linha de adubos, sementes diversas e agora temos um profissional em Sacramento para atender aos produtores da região”, ressalta, destacando a grande experiência de José Dalmo em HF (hortifruti). Antevendo um grande futuro pela frente, Marques afirma: “Sacramento tem muito a ganhar com a vinda da Leal Cultura para o município”. 

 

Quem é José Dalmo da Silva


Aos 38 anos, o empresário José Dalmo nasceu entre as culturas de cana, milho e feijão, daí o interesse pela agricultura. “Sou filho de produtor rural, comecei a trabalhar desde novinho. Meu pai plantava cana para a fabricação de cachaça e rapadura, mais tarde passou para o plantio de milho, feijão. Depois conhecemos a cenoura e assim fomos seguindo, hoje atuo no ramo do alho, cebola...”, explica, acrescentando que não tem formação acadêmica. 

“Sou um prático, o que sei aprendi na roça, era difícil pra estudar, então, o que sei aprendi fazendo, trabalhando na roça”, afirma, comprovando que muitas vezes 'mais vale a prática do que a gramática' e por isso não dispensa uma boa consultoria. 

José Dalmo é casado, mas a família continua em São Gotardo, onde a esposa mantém um consultório odontológico e, oportunamente, virá para Sacramento, assim como os dois filhos. 

Completando dois anos de plantio de alho no município, José Dalmo se declara satisfeito com o investimento. “Superou nossas expectativas, estávamos com uma produção média em torno de 17 toneladas e aqui em Sacramento, região virgem em relação à cultura de alho, favorecida ainda pelo clima e isolamento (ausência de outras lavouras de alho na mesma região, que evita transmissão de virose de uma plantação para outra), chegamos à média de 20 toneladas por hectare, superando nossas expectativas”.

 

1º Dia de Campo em Sacramento


Observando as recomendações das autoridades sanitárias, em relação ao combate do novo coronavírus, a Leal Cultura realizou no município seu I Dia de Campo com a presença de produtores de São Gotardo, Santa Juliana, de Goiás e Sacramento, dentre eles o prefeito Wesley De Santi de Melo.

“Nosso objetivo neste primeiro encontro foi realizar entre os produtores e interessados uma troca de ideias, de informações sobre a cultura do alho, manejo, adubação, controle sanitário e, para isso, contamos com a participação de empresas de revenda de produtos. Foi um encontro que durou cerca de cinco horas, terminando com um almoço, onde foram mantidas todas as recomendações de segurança contra a covid-19”, justificou Dalmo, agradecendo a presença do prefeito Wesley, pelo apoio dado ao empreendimento. 

“Logo que chegamos, ele nos cedeu uma pequena área para a construção dos galpões de beneficiamento do alho e, como projeto futuro o processamento de alho para tempero. O Baguá tem dado todo apoio e incentivo nos projetos do Grupo Leal”.


Temos que apoiar iniciativas como essa

 

O prefeito Wesley De Santi de Melo, falando ao ET, disse que foi procurado pela empresa logo que ela aportou em Sacramento em busca de áreas para a plantação dessas hortaliças. 

“Num primeiro momento, José Dalmo, sócio administrador da empresa, nos procurou solicitando um terreno para o empreendimento. Mandamos para a Câmara um projeto de lei doando uma área na MG-464, próximo à Serraria Montana. Porém, em meio às negociações, a empresa acabou comprando do empresário Francisco Franzoi a área da antiga Montana.  Continuamos emprestando apoio à empresa pela importância que vem somando à economia do município e pela geração de empregos que promove, segundo Dalmo, mais de 200 empregos diretos, por conta da mão de obra do   alho, que é 100% manual”, justifica, destacando que a empresa figura como uma das maiores produtoras de alho no País. 

Concluindo, o prefeito Wesley frisou que desde o princípio percebeu a importância do empreendimento. “Vemos com bons olhos a chegada da Leal Cultura Produtos Agrícolas Ltda ao município. Portanto, temos que apoiar iniciativas como essa, sobretudo do agro negócio, porque temos boas terras, clima e altitude propícios para esse tipo de cultura, já com a primeira safra toda exportada para São Gotardo. A partir deste ano, conforme Dalmo nos afirmou e ficou acertado que a mão de obra também desse serviço, classificação e embalagem será feito aqui”.


Grupo Trevisan


Para o vice-prefeito Juninho Trevisan, diretor executivo do Grupo Trevisan, que atua no município há vários anos no cultivo de batata e alho, a empresa Leal Cultura é muito bem-vinda no município. “Vai ser muito produtivo na geração de empregos e renda para o município. O Grupo Trevisan, como produtor de alho no município, no período da safra, já emprega cerca de 250 pessoas e quanto mais emprego vier para Sacramento, melhor. Aliás, pode até faltar mão de obra, porque o plantio e a colheita do alho são 100% manuais”, explica, destacando que não vê a Leal Cultura como uma empresa concorrente, mas como alguém que vem para somar. 

 

“- Há cinco anos produzimos alho, fomos os pioneiros no município. E agora chega o José Dalmo. Que seja bem-vindo! Como diz o velho ditado, 'o sol nasceu para todo mundo'. Além do que, há um grande mercado no país, pois só produzimos a metade do que o brasileiro consome”.