Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Benedicto Ignácio de Farias: Aos 93, uma lição de vida

Edição nº 1450 - 30 Janeiro 2015

O ex-pracinha da 2ª Grande Guerra, Benedicto Ignácio de Farias, 93, é o dentista mais longevo de Sacramento. O primogênito de quatro irmãos, nasceu no dia 2/7/1922 e até os 17 anos viveu com os pais, Joaquim Estevan de Farias e Izabel Maria da Almeida, fazendeiros na região da Jaguarinha, onde estudou até o quarto ano com os irmãos, Bertulino, Juca e Dirce.  Em 1940, um ano depois do início da guerra, o pai determinou que viesse para Sacramento fazer o Tiro de Guerra. Aqui, Benedicto cursou o Liceu Sacramentano e, concluídos os estudos, foi para o Rio de Janeiro, onde cursou Odontologia. Veja sua linda história.

 

ET - Era seu desejo fazer odontologia?

Benedicto - Naquele tempo a gente não tinha desejo, não. Eram os pais que mandavam e a gente obedecia. Apesar de pouca instrução, meu pai foi um homem de visão, me mandando para a cidade, primeiro para fazer o Tiro, depois para o Rio de Janeiro, cursar Odontologia.  

 

ET - Alguma lembrança de Sacramento nesse tempo que antecedeu a guerra?

Benedicto -  Me lembro de um colega de Tiro, o Luiz Afonso de Melo. Me lembro dele porque quando o capitão examinador veio aqui, foi o Luiz quem fez o discurso de saudação em frente ao Hotel do Comércio. Outro, foi um trágico fato que ocorreu no centro da cidade. Ali atrás da Igreja Matriz, onde havia um bar que era ponto de encontro da juventude. Eles estavam ali reunidos para uma serenata e também fazendo uma despedida de alguns colegas que foram convocados... 

 

ET - A famosa história do Miúdo, você estava lá?

Benedicto - Não, mas eles eram todos conhecidos, alguns meus colegas. O Miúdo, coitado, o pessoal foi convocado para a Guerra e fizeram uma despedida, com serenata... Estavam ali bebendo e fazendo a algazarra própria dos jovens, quando a polícia chegou e quis acabar com a aquela farra. Muito afoitos, os jovens desafiaram a polícia e a confusão foi tão séria que começou a pipocar tiro... A polícia se posicionou bem ali onde hoje é o Banco Itaú e os jovens correram todos para trás da Igreja e para o jardim... E o Miúdo escondeu atrás de um coqueiro, mas foi alvejado com um tiro de fuzil. A bala atravessou o tronco do coqueiro, atravessou seu corpo e caiu dentro do bolso de seu paletó. Parece mentira, mas foi a pura verdade. Todo mundo presenciou o fato. Outros colegas também foram alvejados, o Aldary Pavanelli levou um tiro na mão, o Gilberto Araújo, na perna; o Sinval da Sinhá, no pé... 

 

ET – Por que o Sr. foi convocado para a guerra?

Benedicto - Porque eu era reservista de 1ª Categoria, por ter feito o TG 285 – CRFC, em Sacramento. Fui convocado em 1945, seis meses antes do final da grande guerra pelo Ministério da Guerra para o curso de graduação em São João Del Rey, sendo incorporado à Força Expedicionária Brasileira (FEB), mas não cheguei a embarcar para o front, por conta do final da guerra. Mas eu me lembro de alguns colegas, do Japir, o Neca Português, o Osvaldo, o Almeida Campos... Éramos 60 jovens, todos residentes na Pensão Central.


ET - Como era Sacramento nos idos de 1940?

Benedicto - Uma cidade muito tranquila, que veio crescendo bem devagar. Formada por um povo muito ordeiro e bondoso. No tempo da ditadura do Getúlio foi governada pelo Dr. Juca Ribeiro. E foi através dele que conheci o Getúlio Vargas, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. A cidade era muito bonita, iniciando os calçamentos, com ruas largas, passeios largos, havia o coreto na praça da matriz, havia o jardim com quatro gameleiras, cujos galhos se encontravam e que, infelizmente, foram cortadas. Ali os jovens da época se encontravam... As moças davam voltas de um lado, à direita e os rapazes do outro, à esquerda. A banda de música do Quinzinho tocando no coreto, inclusive, meu cunhado, o Adolfo,  fazia parte da banda. Um tempo bom aquele... Havia o cinema em frente que era do João Goulart... E havia bailes no Liceu de vez em quando. Dos vigários da época, me lembro do Pe. Pedro e do Cgo. Julião Nunes, moravam ali perto do Marquezinho, na rua do comércio.

 

ET - Terminada a guerra retornou a Sacramento?

Benedicto - Sim, vim exercer aqui minha profissão de dentista. Sabe que dentre meus clientes ainda tem alguns com as próteses que eu fiz? Outro dia eu me encontrei com Da. Mindinha do Moicana, e ela me confirmou...  Tinha um cuidado muito especial com o trabalho e a profissão que eu exercia. Eram próteses que duravam a vida toda. Da. Mindinha me confirmou que ainda usa a dentadura que saiu de meu consultório.  

 

ET - Quando se casou?

Benedicto - De família sacramentana, conheci minha esposa, Elaine de Araújo Ignácio, aqui mesmo e nos casamos em 1949 e ficamos morando mais ou menos durante cinco anos, na rua Eurípedes Barsanulfo. Em Sacramento, também nasceram nossos três filhos, Mary Nise, Nilce Jussara e Gilson Hebart, hoje todos residentes em Goiânia. Alguns anos depois, já na década de 50, nos mudamos para Uberaba por um determinado tempo. Eu me lembro muito bem que nessa época estava havendo um movimento da classe médica da cidade e das autoridades municipais para a construção do Hospital Dr. Hélio Angotti, administrado pela Associação de Combate ao Câncer do Brasil Central. 


ET - Vemos aqui um diploma assinado pelo Dr. Hélio Angotti, de 2.2.1959, e pelo tesoureiro Hélio Luiz da Costa, reconhecendo o Sr. como Sócio Beneficente da Associação e um reconhecimento afirmando que o Hospital existe hoje por conta de sua ajuda...

Benedicto -  Sim, sensibilizado pela causa, eu me tornei sócio fundador e beneficente daquela instituição, contribuindo com 5 mil cruzeiros a partir de 2/2/1959, para a construção do hospital, recebendo o direito de hospitalização extensivo à esposa e filhos menores, em apartamento particular, gratuitamente, em qualquer época. Em 2008 fui agraciado com o diploma de reconhecimento do Hospital com a frase: 'Sem você, esta história não existiria'.


ET - Quando se mudou para Goiânia?

Benedicto - Foi neste mesmo ano de 1959, eu me mudei para Goiânia com toda a família. Lá, eu me ingressei como funcionário público da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás, cujo secretário era o Coronel do Exército, Pitanga Maia. Sabedor dos meus conhecimentos em odontologia e de expedicionário, o coronel Maia determinou que me incluíssem na Polícia Científica, um departamento recém criado dentro da Secretaria e lá permaneci até me aposentar.

 

ET - Mas nunca esqueceu suas raízes...

Benedicto - Nunca. Durante todo esse tempo vinha a Sacramento com frequência, especialmente a partir de minha aposentadoria e da morte de minha esposa, Elaine, em 2006. Aqui adquiri uma pequena propriedade rural e uma casa na cidade e venho desde então alternando minha residência entre essas duas cidades. Em Goiânia, porque lá estão meus filhos, razão de toda minha vida, e, em Sacramento, pelo amor à terra natal, pelas lembranças tantas de meus pais, irmãos, amigos... 

 

ET - Aos 93 anos, administrando seu sítio, nesse vai e vem para Goiânia, qual o segredo dessa vitalidade toda?

Benedicto - Enquanto não morrer, vou tocando a vida. A vida rural é meu hobby, criando galinha, mexendo com abelhas. Você pergunta sobre minha longevidade... Eu vou revelar o segredo. Eu vou driblando a morte com minhas viagens. Quando a morte me procura aqui, estou lá. Se me procura lá, estou aqui. (E dá uma boa gargalhada). Mas o importante é não se preocupar com a morte. Já perdi meus pais, minha esposa, só tenho medo de como morrer.

 

ET - A gente percebe que o Sr. é um homem feliz. Saído de uma pequena comunidade rural, a Jaguarinha, fez o Tiro de Guerra, serviu o Exército Brasileiro, foi dentista, funcionário especialista da Secretaria de Segurança Pública... É também um homem de fé?

Benedicto - Sempre fui um homem de muita fé e temente a Deus. A vida é um dom de Deus, meu jovem. Sou um homem felicíssimo, e só Deus sabe para onde irei... Não tenho religião, mas, espiritualmente, procurei  muito. Li a Bíblia e aprendi muita coisa... E alguma coisa me levou para a filosofia espírita e aprendi alguma coisa, pouca coisa,  mas aprendi. E minha fé em Deus é inabalável. Deus sobre todas as coisas, Ele é a inteligência suprema e a causa primária de todas as coisas, disso não tenho nenhuma dúvida. 

 

ET - Esse pequeno salto para a vida, se não fosse seu pai...

Benedicto - Ainda poderia estar na Jaguarinha, o que não quer dizer também que estaria infeliz ali, claro que não. Mas papai, sem dúvida, foi um homem de visão ao me mandar fazer o Tiro de Guerra, abrindo as portas para mim... Mas sabe, queria estar com meus pais aqui em Sacramento, os meus irmãos, o Bertulino, que trabalhou com taxi a vida toda; o Juca Ignácio, que tem todas suas filhas em Brasília; minha querida irmã, Dirce...

 

ET - Uma bela história, Dr. Benedicto... Nessa idade toda, a gente não pode desejar 'muitos anos de vida', mas te desejamos 'muita vida nos anos que lhe restam'. Muita paz e alegria. Obrigado.

Benedicto - Fiquei muito feliz e honrado ao conceder esta entrevista. Muito obrigado. Agradeço também ao Dídia do Taxi que um dia tirou uma foto minha no seu celular e disse: “Vou mostrar a um jornalista, amigo meu...” E olha aí a história. Obrigado.