Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Cidade ganha sede da Justiça Eleitoral

Edição nº 1378 - 06 Setembro 2013

Os discursos de inauguração da sede do Cartório Eleitoral  'Djalma Afonso do Prado' tiveram como pauta a importância da Justiça Eleitoral, instituição criada em 1932,  para a consolidação da democracia no País. A começar da juíza eleitoral da comarca, Roberta Fonseca, que destacou as eleições como o único meio de inclusão, de igualdade.

 

“Nas eleições não há distinções, nelas, brancos, negros, mulheres, homens, jovens, ateus, crentes, executivos e desempregados, letrados e analfabetos têm o mesmo valor e exercitam o direito do voto. Não há urna espelhada, perfumada, que funcione a base de cartão de crédito  ou mediante arma de fogo, assim sendo, devemos admitir que este Tribunal se revela como o maior guardião da cidadania”, afirmou, acrescentando agradecimentos ao desembargador Cruvinel, pela iniciativa e empenho para criar e modernizar sedes do Tribunal no Estado .

O prefeito Bruno Scalon Cordeiro destacou o momento como uma reunião de pessoas de bem. “Este dia em que pessoas de bem e do bem reunidas no mesmo espaço para reforçar parcerias e celebrar convênios, se emoldura no tempo como um dia histórico, quando nossa cidade recebe as mais altas personalidades dos três poderes constituídos, por motivo tão grandioso que é a inauguração da nova sede do Cartório Eleitoral, que homenageia Dr. Djalma Afonso do Prado, homem que exerceu com benevolência e solidariedade a sua vida pública. Essa obra é um privilégio para a cidade e  um compromisso honrado pelo filho da terra, Desembargador Antônio Carlos Cruvinel ”, disse. O prefeito homenageou o governador Antônio Anastasia agradecendo as obras edificadas pelo estado em sua gestão, em especial o recapeamento da rodovia Antenor Duarte (Gruta dos Palhares) e saudou ainda os novos comendadores, Antônio Carlos Cruvinel, Elza Cândida Silveira e Marcos Montes, pessoas que elevam o nome da cidade. 

Geisha Mara do Prado Cruvinel, filha do saudoso Dr. Djalma Afonso do Prado, em nome da família agradeceu a homenagem ao pai que denomina a sede do Cartório. 

O Governador Antônio Augusto Anastasia que esteve em Sacramento pela quinta vez, mais uma vez cantou as belezas da cidade, sobremaneira, a Gruta dos Palhares, confessando jamais ter esquecido a visita à cidade em 2011, quando pôde ouvir a Orquestra Sinfonia do Estado, sob a pedra da Gruta, dizendo: “Nessa Gruta nós percebemos a grandeza de Deus, percebemos de fato o valor do espírito”, enfatizou.

O Governador parabenizou o Desembargador Antônio Carlos Cruvinel pelo profícuo trabalho à frente do TRE-MG, que tem repercutido em Brasília, conforme lhe teria confidenciado a ministra do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Carmem Lúcia Antunes Rocha. “Presidente Cruvinel, parabéns por voltar a sua terra com  esta grande e merecida obra e agora receba esta homenagem da cidade de Sacramento de Paz e de Amor”.  

 

Governador e Prefeito assinam convênio

 

Durante a solenidade de inauguração, o Governador Antônio Anastasia e o prefeito Bruno Scalon Cordeiro assinaram convênio através da Secretaria de Estado e Governo  e a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas, que disponibiliza recursos do Programa Pró-Município para o melhoramento da infraestrutura municipal, com a construção de pontes no município.  De acordo com  o prefeito, através do convênio  serão construídas,  no município, oito pontes de concreto  nos próximos meses. 


Quem foi Dr. Djalma 
Natural do Estrivo, povoado do município de Araxá, nascido em 15 de novembro de 1930, Djalma Afonso do Prado era filho de Inácio Afonso do Prado e de Joana Borges do Prado. Iniciou os estudos em Araxá, seguindo depois para Sorocaba (SP) e Belo Horizonte. Formou-se em 1957,  na primeira turma de Direito da Faculdade Mário Palmério, de Uberaba. Em 1953, casou-se com Jerônima  Cruvinel (irmã do desembargador Antônio Carlos)  de cuja união nasceram os filhos Geisha Mara, José Vinícius, Cícero, Djalma, Ciro, Sheila e Shirley. 
Admirado e querido por todos, estava sempre cercado de gente. Se tinha alguma aglomeração no bar, podia-se apostar: ali estava o Djalma falando alguma coisa, defendendo alguma causa. Nem mesmo quando morriam, os indigentes ficavam longe de seu coração. Mais de uma vez permaneceu sozinho velando os corpos de pessoas extremamente pobres e desconhecidas, abandonadas até mesmo por seus familiares.
Na política, além do bom relacionamento com lideranças estaduais, Dr. Djalma foi vereador por duas gestões e presidiu a Câmara por duas vezes, entre 1960 e 1961. Mas não concluiu seu segundo mandato, morreu prematuramente aos 33 anos, no auge de sua juventude e capacidade de trabalho.