Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1771 - 26 de Março de 2021

Moradores dos Pinheiros querem a escola na comunidade

Edição nº 1119 - 21 Setembro de 2008

João Bosco Moreira da Silva, 43, morador da comunidade dos Pinheiros, procurou o ET para reivindicar a reabertura da escola na comunidade a partir do próximo ano. De acordo com João Bosco, a escola foi fechada logo após a posse do atual prefeito, Joaquim Rosa Pinheiro, em troca do transporte para o Quenta Sol, povoado distante duas horas da comunidade. 

E é essa distância que sempre preocupou a comunidade. Os estudantes, crianças de pré, inclusive, algumas  saem de casa às 5h30 da manhã, para retornar a casa só lá pelas 15h30 ou mais. “Dos Pinheiros ao Quenta Sol são duas horas de viagem. O microônibus começa pegar menino às 5h30, vai passando, passando e pegando. O meu filho de oito anos, é um dos últimos que eles pegam às 7h00. A aula começa às 9h00 e termina depois do almoço. Os alunos comem na escola, mas chegam em casa muito tarde. Meu filho às três e meia da tarde e depois tem mais meninos pra deixar nas fazendas pra frente”, contou.

De acordo com João Bosco a justificativa da Prefeitura é que havia poucos alunos e não compensava deixar professor lá. “A professora tem que morar lá, as últimas professoras que moraram lá foi a Roseli e uma outra que eu não lembro o nome. Uma Kombi as levava na  segunda-feira e buscava na sexta-feira”, disse.