Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1777 - 07 de Maio de 2021

Desemboque é tema de tese de Alessandro Abdala

Edição nº 1129 - 23 Novembro 2008

“Habitantes do Sertão – homens livres e escravos do julgado do Desemboque-MG 1783-1873” é o tema do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC,   do acadêmico do curso de História, Alessandro Abdala Santana, da Universidade estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, da cidade de Franca (SP). 

Orientado pelo professor sacramentano da Unesp, Lélio Luiz de Oliveira, e apoiado pelo professor Carlos Alberto Cerchi, a quem dirige os agradecimentos, Alessandro  busca caracterizar e descrever o processo de povoamento  ocorrido no antigo “Sertão da Farinha Podre”, atual Triângulo Mineiro, tendo como base o documento, 'Notícia Geral da capitania de Goiás', de 1783 e o relato de dois viajantes do século XVII, que percorreram a região, o geólogo alemão, Barão de Eschwege, e o naturalista francês, Auguste de Saint-Hilaire. 

E, para entender a estrutura populacional de Desemboque e Sacramento, os principais núcleos populacionais da região, entre  1783 e 1873, Alessandro apresenta a análise das  listas nominativas relativas a essas localidades disponíveis no Arquivo Público Municipal. 

O trabalho formatado em três extensos capítulos, distribuídos em 69 páginas, traz a relação dos moradores, mapa  estatístico, dentre outros. A título de ilustração, o  Distrito do Santíssimo Sacramento (Sacramento), em 1831, portanto 11 anos após a sua fundação pelo Cônego Hermógenes Brunswick de Araújo,  contava com 1825 habitantes, sendo 1208 livres (69%) e 553 escravos (31%). Na distribuição, quanto ao  sexo eram 952 homens (54%), 793 mulheres (45%)e 16 não declarados (1%). O autor segue ainda com a distribuição quanto ao estado civil, por idade, raça, cor e etnia, tudo criteriosamente comentado.

O acadêmico Alessandro Abdala é também profissional em Designer Gráfico  e se dedica a fotografia, preservação ecológica, sendo um dos fundadores da Ong Veredas, enfim, é um pesquisador e batalhador pela preservação do patrimônio cultural, artístico e paisagístico da cidade.  

 

Crônicas Impertinentes

Mais um escritor chega a Sacramento, Renato Muniz Barreto, com a obra 'Crônicas impertinentes'. Como  o próprio nome sugere, 'Crônicas Impertinentes' faz uma análise dos dois movimentos antagônicos  da nossa história. O primeiro, o das conquistas científicas em  que podemos testemunhar um grande salto. O segundo, é a degradação humana e a sua atuação no meio ambiente. 

Na apresentação da obra, o mestre em Agronomia,  Antonio Nascimento Silva Teixeira, define bem autor e obra. “O professor Renato faz parte do grupo cada vez maior de pessoas angustiadas com os rumos da evolução humana. O impulso de expressar é incoercível. A vontade de ajudar é grande, a urgência já foi identificada, por isso, palestras, crônicas e, agora, livro. (...) Nesse momento da nossa história, quando parece que perdemos nossos referenciais nessa corrida louca e insana, o livro do professor Renato cai muito bem. Cumpre seu papel histórico de dar um grito de alerta, fazendo uso de armas poderosíssimas: conhecimento e simplicidade”, escreve. 

O uberabense Renato Muniz Barreto é geólogo, ambientalista, professor e mestre em Planejamento Sócio-Ambiental. Escreve desde 1989, artigos publicados na imprensa regional e lançou, em 1989, seu primeiro livro, 'A cidade perdida”', que consiste em anotações do cotidiano. 

'Crônica Impertinentes' é o segundo livro, editado pela Editora Scortecci (SP). Apresenta 43 crônicas publicadas entre 1998 a 2008.  “Escolhi algumas crônicas menos comprometidas com assuntos muito datados, não relacionados a acontecimentos  específicos. Preferi as crônicas mais leves, mais irônicas”, disse o professor Renato Muniz, que espera contribuir para reflexões bem humoradas sobre o cotidiano e as relações da sociedade com o meio ambiente.  

 

O lançamento nacional foi feito na XX Bienal Internacional do Livro em São Paulo, em agosto deste ano. E, em Sacramento, Renato Muniz, que já esteve na cidade várias vezes promovendo cursos aos professores,  lança sua obra no Galpão Cultural da Escola Coronel, dia 28 próximo, às 8h00, com coordenação do prof. Carlos Alberto Cerchi. 

 

... para acabar com o stress

“Stress: uma saída de mestre” é o título do novo livro do sacramentano, Pe. Eugênio Antônio Bisinoto, em parceria com Ari Antônio Cestarioli, Landsey Rivera Raqueña, Luciano Oliveira de Freitas e Mário Marcos de Moura Viotto, lançado pela Editora  Estrela do Tietê Ltda. “O objetivo do livro é compartilhar nossos conhecimentos com os leitores, a fim de que possam descobrir a alegria de viver, cuidar da saúde, dom precioso do criador e lidar melhor com o stress do dia-a-dia”, justificam na apresentação do livro.

Após uma pesquisa séria e reflexões, os autores concluíram  que é impossível viver sem o stress, mas uma saída  de mestre simplifica o relacionamento do homem com seus problemas e tensões. “O stress constitui um componente da vida moderna. Tornou-se um fenômeno geral, que tem surpreendido muitas pessoas, mas a vida saudável é uma exigência fundamental de toda pessoa humana. Viver com saúde há de ser desafio e um tarefa para todos nós”, diz Pe. Eugênio Bizinoto em seu capítulo. 

 

No livro 'Stress: uma saída de mestre', cada autor aborda um assunto. Pe. Eugênio fala sobre 'O stress na vida da pessoa humana'. Os outros temas abordados são, 'O stress no ambiente de trabalho: análise lega e social; 'Stress no  meio profissional e nas relações pessoais'; 'Uma saída de mestre: administração do tempo' E 'Stress no dia-dia'.