Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1783- 18 de junho de 2021

Sacramentano é terceiro colocado em concurso

Edição nº 1234 - 03 Dezembro 2010

O empresário rural sacramentano, Samuel de Melo Crema recebeu a  premiação de  terceiro colocado no concurso Qualidade  de Cafés de Minas Gerais, na categoria cerrado  natural, em cerimônia realizada no último dia 25, no  Salão de Convenções da Universidade Federal de Lavras  - UFLA, evento que reuniu  os 18 vencedores, dentre as 49 amostras finalistas do concurso estadual, seis de cada região produtora (Sul, Cerrado e Matas de Minas). Como prêmio, Crema recebeu além do troféu, o certificado de qualidade  e um televisor de 26 polegadas. 

Com o objetivo de incentivar o produtor a melhorar a qualidade de seu produto, o concurso, segundo o engenheiro Agrônomo da EMATER-MG de Sacramento,  Roberto C. Mendes Filho, agrega valor a sua produção, já que os cafés chamados cafés especiais têm alcançado ótimos preços no mercado nacional e internacional. “Essa premiação para Sacramento serve de exemplo, estímulo e de incentivo para o melhoramento do café do município”, salienta o engenheiro.

 

Café campeão é leiloado a R$ 8,1 mil a saca

 

O café campeão concorreu na categoria “cereja descascado” e obteve  nota 89,1 numa escala que vai até 100.  O campeão é  produzido na fazenda Kaquend, no município de Carmo de Minas, no Sul do Estado, pelo produtor Ralph Castro Junqueira, que possui 37 hectares plantados na propriedade, que é certificada pelo Programa Certifica Minas Café, desenvolvido pelo Governo de Minas Gerais para adequar o sistema de produção às normas internacionais. As fazendas aprovadas pelo Certifica Minas são auditadas por uma empresa com sede na Suíça. 

A saca de 60 quilos do café campeão  foi comprada no leilão por um consórcio formado pela empresa de comercialização de café Carmo Coffees, pela cafeteria Kahlua, de Belo Horizonte, e pelo empresário Bruno Souza, da Academia do Café. Além da saca comercializada por R$ 8,1 mil, o produtor também vendeu um lote de nove sacas, do mesmo café, para a torrefadora Café Rancho São Gabriel. Cada saca foi adquirida pela torrefadora por R$ 1,5 mil. ´

Outro campeão do concurso foi o produtor Efraim Botrel Alves, do município de Ilicínea, no sul do Estado. Ele foi o campeão estadual da categoria “natural”, com 89,9 pontos e vendeu um lote de 9 sacas, cada uma por R$ 900, além um outra saca isolada (microlote) por R$ 4 mil. 

 

Concurso e Leilão

 

O 7º Concurso de Qualidade de Cafés Especiais de Minas Gerais contou com 974 amostras inscritas de todas as regiões produtoras do Estado. Todas as amostras passaram por análises físicas e sensoriais (aroma e sabor) realizadas por provadores de Minas e outros estados. O processo de seleção foi realizado entre os meses de setembro e outubro por uma comissão julgadora formada por doutores em café de qualidade. Só passaram para a etapa final as 49 amostras de cafés que tiveram o mínimo de 80 pontos. 

 

Certifica Minas

 

O café vencedor na categoria cereja descascado no concurso deste ano é cultivado em uma propriedade aprovada pelo programa Certifica Minas. Criado pela Secretaria de Agricultura de Minas Gerais, o programa tem o objetivo de atestar a conformidade das propriedades cafeeiras com os requisitos do comercio mundial, ofertando um produto que atenda as novas exigências dos consumidores. O Certifica Minas foi o primeiro programa de certificação de café implantado por um governo estadual. 

Cerca de 1200 propriedades de café de Minas Gerais já foram certificadas. Até o final de 2011, a meta é chegar a 1500 propriedades aprovadas pela certificadora internacional. (Colaboração de Roberto Carlos Mendes/Emater Sacramento – Adaptação)