Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1777 - 07 de Maio de 2021

Editorial - O Brasileiro Comum

O melhor do Brasil é o brasileiro comum.
Aquele que os mais ignorantes teimam em tratar com desdenho, sem dar importância. Gente incapaz de agradecer um garçom que serve um café na reunião, gente que acha que qualquer salário mínimo e a garantia de um empreguinho vai calar a boca dos motoristas, das secretárias e dos caseiros.

Temos orgulho dos Pelés, Ayrtons, Diegos, Daianes, Ronaldinhos, Drummonds, Miltons e outros tantos que levam nosso país aos degraus dos pódiuns, às listas de escritores mais lidos ou músicas mais tocadas nas rádios de todo mundo.

Mas o que nos emociona de verdade são os faxineiros que devolvem malas de dinheiro achadas nos aeroportos e metrôs, são os que não têm medo da verdade e da força dos poderosos. São as pessoas que abrem mão de fortunas para cuidar de pobres, das pessoas que abrem suas casas e as transformam em asilos, creches, etc.

Pessoas que só têm um medo: perder seus maiores patrimônios que são a honra e a esperança.
Nossa história sempre deveu muito aos mais nobres brasileiros comuns. O fim da escravidão foi alcançada pela garra dos nossos negros e de uma grande mulher. A aviação leva a marca de um mineirinho, da pequena Cabangu, que mal sabia desamassar o chapéu. Nossa capital, hoje uma das cidades mais modernas do mundo, foi fruto de uma visão de um ilustre brasileiro comum: um médico que nasceu pobre e lutou até chegar ao mais alto cargo do País: a presidência da República.

Aliás, usar a expressão "grande mulher" é quase um pleonasmo. Se é mulher, brasileira, vive muitas vezes com o salário mínimo e cuida de filhos que muitas vezes não são poucos, sem dúvida, é uma grande mulher. Nossas maiores heroínas. As brasileiras comuns que sacodem em ônibus cheios desde cinco horas da madrugada para chegar ao trabalho deixando filhos com uma vizinha ou com a mãe. Lutam para que os filhos estudem, não entrem para o crime, e sejam "alguém na vida".

Tomara que esses filhos sejam brasileiros comuns. Que respeitem os outros brasileiros comuns e que continuem a fazer do Brasil um grande país.

por Stefan Salej