Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Hospital Regional de Uberaba já está funcionando

Edição nº 1587 - 8 de Setembro de 2017

Depois de quase sete anos em construção, o Hospital Regional José de Alencar (Hospital Regional - HR- de Uberaba) foi inaugurado nesse sábado 2 de setembro, quando começou a receber os primeiros pacientes. 

Prestigiando a solenidade, o prefeito uberabense, Paulo Piau, recepcionou seus colegas prefeitos de 27 cidades do Triângulo Sul, que serão beneficiadas com o novo hospital. Prestigiaram também o evento o secretário nacional de Atenção à Saúde, Francisco de Assis Figueiredo, representando o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e deputados federais e estaduais da região. De Sacramento, o prefeito Wesley De Santi de Melo, acompanhado pelo secretário de Saúde, Reginaldo Afonso dos Santos, representou a cidade.

 O hospital homenageia o ex vice-presidente, nos dois mandatos de Lula, José Alencar Gomes da Silva, mas nenhum representante da família prestigiou a inauguração. 

 

Previsão é atingir capacidade total em 2018

A primeira etapa do HR conta com 55 leitos, sendo 35 de clínica médica, 10 cirúrgicas e 10 leitos de UTI adulto. Além disso, dois blocos cirúrgicos completos já estão em funcionamento, com apoio de serviços de imagem e patologia. A previsão é de que 100% da estrutura esteja em operação a partir de 2018. Em sua capacidade total, o hospital terá 160 leitos, 20 de UTI, 121 de enfermaria e 19 de outras categorias.

Ao discursar na solenidade, o prefeito Paulo Piau explicou  que houve inicialmente dúvidas sobre a abertura do HR por causa das dificuldades financeiras enfrentadas no momento, mas ponderou que a decisão tomada para a inauguração, foi para evitar o desperdício do dinheiro público aplicado na obra. “Hospital pronto e equipado. Imagina deixar parado. A parte elétrica iria deteriorar, a hidráulica, a construção e os equipamentos também. Sabemos do desafio de abrir hospital nesses dias de recessão econômica, mas tenho certeza absoluta de que vamos conseguir mantê-lo ativo”, disse. 

De acordo com o prefeito, o hospital contará com investimentos de 50% da União; 25% do Estado, e outros 25% ficam a cargo dos municípios, sob a jurisdição de Uberaba. “Até agora, somente Uberaba contribuiu financeiramente, mas tenho certeza de que os demais municípios irão se ajustar e participar ativamente”, ressaltou Piau, adiantando que espera colocar 100% da capacidade do hospital em funcionamento já no próximo ano, mas depende de recursos financeiros. “Sem dinheiro, não arriscamos ampliar nada. Abrimos o hospital e vamos mantê-lo aberto. Agora, ampliação depende participação do governo federal, Estado e prefeituras”.

 O hospital custou aos cofres públicos investimentos de mais de R$ 50 milhões, entre obras e equipamentos. São 55 leitos na primeira etapa e mais de 300 profissionais contratados. Expectativa de despesas da ordem de R$ 3 milhões/mês para o custeio, com expectativas de gasto anual, quanto estiver operando com a infraestrutura completa, de R$60 milhões. 

O Hospital Regional conta com as seguintes especialidades: Clínica Médica, Infectologia, Cirurgia Geral, Ortopedia, Nutrologia, Cirurgia Vascular, Neurologia, Cardiologia, Reumatologia, Urologia, Endocrinologia, Pneumologia, Hematologia, entre outras. 

A gestão do hospital HR será compartilhada entre as duas universidades de Uberaba, UFTM, que há 60 anos administra o Hospital das Clínicas, que atuará por meio da Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba – Funepu, e Uniube. A UFTM será responsável pelo corpo clínico da instituição hospitalar e a Uniube vai operar a parte técnico-administrativa da instituição. Entre as duas está a Prefeitura Municipal, órgão gestor responsável pelo gerenciamento e captação de recursos. Ao Conselho de Saúde, compete o importante papel de fiscalizar e fazer o hospital funcionar como deve.

Para o secretário de Saúde, Reginaldo Afonso dos Santos, que é membro do Conselho Gestor do HR, a abertura da instituição vai ser um ganho muito grande para a região na questão da média complexidade, porque vai desafogar os hospitais já existentes. 

“- O Hospital Escola e outros em Uberaba são hospitais de alta complexidade, só que a média complexidade é tão grande, que acaba tirando os leitos da alta. Com o HR assumindo a média complexidade vão sobrar leitos nos grandes hospitais para atenderem a alta. E vai melhorar também a questão das vagas para transferência, porque os hospitais existentes não conseguem atender a demanda atualmente existente”, revelou, exemplificando:

“- Já tivemos caso de UTI Móvel sair de Sacramento transportando paciente e, devido a falta de leitos, nossa maca ficou por lá, até conseguirem um leito. O HR vai ser muito benéfico para toda região, apesar de ele começar com apenas 50% de sua capacidade”, disse ao ET na solenidade de posse dos Conselheiros municipais de Saúde.  (Imprensa regional/RedaçãoET)