Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Médica alerta sobre prevenção ao suicídio

Edição nº 1591 - 06 de Outubro de 2017

“Doe um minuto, mude uma vida”, este foi o tema deste ano da Associação Internacional de Prevenção ao Suicídio (IASP) para a celebração do dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, que visa sensibilizar e conscientizar a população sobre os altos índices de suicídio no mundo e que essas mortes podem ser prevenidas. No Brasil a sua ocorrência tem crescido entre os jovens. Desde 2002, a taxa subiu 10%, de acordo com o Mapa da Violência.

 

Para sua prevenção, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Luiz Giani, serviço de saúde mental de Sacramento, coordenado pela médica psiquiatra Elka Juliana de Oliveira, está apto para acolher e atender adequadamente a população, que apresenta, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, altos índices de doenças mentais e atentados contra a própria vida. Nesse sentido, a médica faz um alerta que serve para todos, especialmente para pais e mães de adolescentes, professores, líderes comunitários e religiosos, imprensa, clubes de serviços, autoridades e profissionais ligados a educação, serviços sociais e de saúde.“- Para um efetivo trabalho de prevenção, é necessário que a população esteja informada e consciente e que todos os profissionais de saúde estejam aptos a abordar, avaliar e identificar fatores de risco em um suicida em potencial. Pensando nisso, a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) e o CFM (Conselho Federal de Medicina) lançaram duas cartilhas com orientações acerca do tema: 'Comportamento suicida: conhecer para prevenir', um manual dirigido a profissionais da imprensa; e 'Suicídio: informando para prevenir', voltada aos profissionais da área de saúde”. 

De acordo ainda com Elka, “os dois objetivos da campanha realizada no mês passado na cidade, o 'Setembro Amarelo', são a prevenção ao suicídio e a defesa da vida e, embora a campanha seja realizada  em setembro, as suas ações devem ser contínuas”.

Avaliando o trabalho realizado pelo Serviço de Saúde Mental no Setembro Amarelo, Elka afirmou: “A equipe do CAPS Luiz Giani mais uma vez não mediu esforços para sensibilizar a população e não medirá esforços para  capacitar os profissionais da saúde, realizar parcerias com outros setores e promover discussões  sobre o tema”.

 

O suicídio ao longo dos anos...

Explica a médica que, durante séculos, por motivos religiosos e morais, o suicídio foi considerado um dos piores pecados que o ser humano poderia cometer. “Esse tabu virou um problema e mascarou uma triste realidade: ele pode afetar qualquer pessoa em qualquer momento da vida, independentemente do nível socioeconômico, idade ou raça. Doenças mentais, como depressão, transtorno afetivo bipolar, esquizofrenia e transtornos de personalidade, como o bordeline, quando não tratadas adequadamente, representam aproximadamente 100% dos casos. Situações de vida estressantes também desempenham um fator significativo e podem servir de gatilho para o suicídio”, alerta.

O Brasil é o oitavo país em número de suicídios: foram 11.821 em 2012, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Isso representa em média 32 mortes por dia (essa taxa é maior do que a de vítimas de AIDS e da maioria dos tipos de câncer). No mundo, no mesmo ano, mais de 800 mil pessoas morreram desta forma. A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio e, a cada três, uma atenta contra a própria vida. E as estimativas não são animadoras: até 2020 poderá ocorrer um aumento de 50% na incidência anual de mortes por suicídio no mundo.

«A prevenção ao suicídio e a defesa a vida são os principais objetivos. A campanha acontece em Setembro, mas suas ações devem ser contínuas", finaliza Elka.