Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1599 - 01 de Dezembro de 2017

Robson Brandolis é campeão da Regional de MTb

Edição nº 1589 - 22 de Setembro de 2017

Robson Luiz Brandolis sagrou-se campeão da Copa Regional Mountain Bike de 2017, categoria sub 30, realizada pela Associação Joaquinense de Ciclismo. A última das sete etapas da Copa foi realizada na fazenda Desengano, em Batatais, no domingo último 17, foi uma das mais difíceis da Copa na avaliação de Brandolis, que conseguiu apenas a 7ª colocação. Mas graças à grande vantagem que acumulou nas provas anteriores garantiu o título. 

Seu colega de maratonas, Thiago Jerônimo Vieira 28, ficou em 6º lugar nessa prova, mas no resultado geral foi o 4º classificado. Messias Borges, presente em apenas algumas etapas, não esteve presente na prova de Batatais. 

Robson e Thiago que até a sexta etapa estavam a um passo do pódio na categoria sub-30, foram muito bem. Na prova, com três voltas de 11km, por categoria, Thiago chegou em 6º lugar com 1h33:40 e  Robson veio logo atrás, em 7º lugar,  com 1h34:33. Na classificação geral da 7ª etapa, Thiago ficou no 41º lugar e Robson  em 47º, isso entre mais de 100 atletas classificados.  Robson, que acumulava pontos, subiu ao mais alto do pódio e Thiago ficou em quarto lugar. 

Messias Borges, hoje residente em Araxá participou da prova na categoria sub 25,  com o tempo de 1h31:30, ficou em 6º lugar na categoria e  29º na classificação geral.  

 

“Não tem coisa melhor do que ser o campeão...

Com essa feliz expressão, Brandolis reconheceu o seu título e a felicidade pela sua conquista. Veja em resumo a avaliação que os dois atletas fizeram da última etapa. 
“- Participe desde a primeira etapa e cada uma senti que foi um novo desafio, porque são caminhos desconhecidos que a gente fica conhecendo durante a Copa. E esse é um dos desafios, porque a gente nunca sabe o que vai acontecer e ter que estar, além de fisicamente preparando tem o psicológico também”, analisou o campeão, reconhecendo que a prova da fazenda Desengano, foi mesmo uma das mais difíceis. 
“- Estranhei muito a prova. Nas etapas anteriores a gente saía,  fazia a maratona e voltava, essa não. Foi um circuito de três voltas de 11 km cada uma. Muita subida e descida técnicas. A prova é muito diferente dos treinos que fazemos, era cada morro, havia trecho que era um paredão pra subir que o 'bicho pegava'.   Mas tive a sorte de ter acumulado muitos pontos nas etapas anteriores, porque não tive bom desempenho, passei sede, tive três quedas, foi uma e depois de três tombos dei uma segurada para não correr risco. Mas acabei ganhando a  Copa e fiquei muito feliz, porque eu gosto do esporte, amo Mountain Bike e a gente ser o campeão numa copa dessa  é muito bom, não tem coisa melhor”, reconhece.
 Sobre a bicicleta que usa, Robson brinca que está atrasado em relação a outros atletas. “Costumo dizer que estou atrasado em bicicleta, porque atualmente, a maioria dos ciclistas, quase todo mundoj, na verdade, compete com bicicleta aro 29 e eu tenho uma aro 26. E é com ela que venho pelejando, participando de competições, e, felizmente, está dando certo”. 
Thiago Vieira explica que sempre participava de provas, mas nunca haviam se aventurado numa Copa de etapas. “Essa é a primeira. Começamos  bem  em Franca em terceiro e em quarto lugares, fomos pra etapa seguinte e fomos apanhando gosto. Cheguei à última etapa em terceiro lugar, empatado com o Diego Lucas Lima,  de Batatais, que tinha a vantagem de estar correndo em casa, no circuito dele. Estávamos com medo da prova por ser circuito fechado, mas fizemos um boa prova e consegui continuar na quarta posição. Para mim foi uma satisfação a pontuação, porque os três primeiros eram pedreiras, mas nas provas anteriores,  nós   quatro sempre dividíamos o pódio, desde a primeira etapa”. 
  Diego Lucas Lima chegou em terceiro lugar na categoria, com 1h31:35 e na classificação geral em 30 lugar. E ele chegou em terceiro lugar. O melhor tempo na categoria sub-30 foi de  Gilmar Pereira com 1h25:31. 
A premiação 
A Copa Regional MTB, promovida pela Associação Joaquinense de Ciclismo (AJC), de São Joaquim da Barra (SP), iniciou no dia 19 de março, com a primeira etapa em Franca, e de  lá praça foram mais seis etapas.  Em cada etapa há premiação para os  10 primeiros classificados, com  pontuação, sendo 20 pontos para o primeiro classificado e vem decrescendo de  dois em dois, de modo que  o 10º classificado fica com dois pontos. Atletas classificados do primeiro ao quinto lugar recebem a pontuação e troféu e do primeiro ao terceiro, recebem  também premiação em dinheiro. Já na classificação geral, no final da Copa, a premiação, troféu e dinheiro, é para os três primeiros
Atletas levam o nome de Sacramento, mas têm dificuldades com patrocínio
Os atletas, para cada competição têm varias despesas, a começar do veículo para transportar as bikes, combustível, alimentação,  inscrição,  às vezes até o pernoite, mas os patrocínios são poucos, apenas dois: da  Fit Nutrição que fornece a suplementação básica e no combustível com a ajuda  de um amigo, Luciano Borges Resende, o restante sai do bolso, embora estejam representando a cidade.  
E, de acordo com Robson e Tiago há alguns meses, aguardam uma resposta do secretário de Esportes, Márcio Luiz de Freitas, o Marzola, que ficou de dar uma resposta e até hoje nada.