Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1599 - 01 de Dezembro de 2017

39% das escolas do 5º ano não alcançaram a meta nacional depois do índice de qualidade da educação

Edição nº 1598 - 24 de Novembro de 2017

Dez anos depois da criação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), 71% das escolas dos anos iniciais do ensino fundamental, avaliadas em 2015, ainda não chegaram ao patamar mínimo de qualidade definido pelo Ministério da Educação (MEC). E 39% delas ainda estão distantes da meta nacional estipulada pelo próprio MEC para 2021, que corresponde ao nível 6 no Ideb, criado em 2005, depois que a Prova Brasil passou a ser censitária para o ensino fundamental, ou seja, aplicada em todas as escolas do país. 

Entre 2005 e 2015, o número de escolas que já conseguiram atingir o patamar mínimo de qualidade cresceu 66 vezes. Entretanto, outras 27.349 ainda precisam alcançar esse índice. A última edição da Prova Brasil terminou de ser aplicada neste mês e os resultados serão divulgados somente no segundo semestre de 2018. Até a edição anterior, mais de 15 mil escolas (ou 39% do total) ainda não tinham atingido o Ideb 5  e, 5.466 delas ainda estavam abaixo do Ideb 4. 


Prova Brasil nos três níveis pode  acabar com a desigualdade na evolução dos dados
Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), até 2021, três edições do Ideb serão realizadas: a próxima será divulgada no segundo semestre de 2018, com dados da Prova Brasil, aplicada entre 23 de outubro e 3 de setembro. Pela primeira vez, todos os três níveis tiveram a prova censitária, depois que o órgão deixou de divulgar os resultados por escola do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e incluiu todas as escolas públicas do ensino médio na Prova Brasil.
Para especialistas, o fato de a Prova Brasil ter se tornado censitária e, assim, permitido o cálculo do Ideb para todas as escolas, é um dos fatores que ajudarão a aumentar o número de escolas que verão a qualidade de ensino avançar, segundo esse indicador, visto que, os dados do Ideb 2015 mostram que a evolução tem sido desigual no Brasil. 
Apenas quatro estados têm mais da metade das escolas com Ideb maior ou igual a 6. Todos eles estão nas regiões Sul e Sudeste: São Paulo, com 65% de suas escolas dentro da meta de 2021, vem em primeiro lugar, seguida de Santa Catarina (57%), Minas Gerais (54%) e Paraná (53%). 
Em dez estados, o número de escolas dentro da meta de 2021 (6) ainda não atingiram a marca de 10%. Todos, menos um, ficam no Nordeste e no Norte do país. O Amapá é o único estado brasileiro que ainda não tem escolas dos anos iniciais do ensino fundamental com Ideb 6. A média do Ideb no Estado  ficou em 4,1.  Os demais estados são Sergipe (1%), Bahia (2%), Maranhão (2%), Pará (2%), Rio Grande do Norte (3%), Paraíba (3%), Alagoas (4%), Pernambuco (5%) e Tocantins (9%).