Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Cristina Braga e Dado Villa-Lobos encerram com chave de ouro Mês Cultural Scala

Edição nº 1591 - 06 de Outubro de 2017

Foi show a última noite de espetáculos do Mês Cultural Scala com a dupla Cristina Braga e Dado Villa Lobos, em “A Harpista e o Roqueiro”. Ela, a primeira harpista do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, que celebra com Dado, a diversidade dos encontros da produção musical carioca através das guitarras siderais e da harpa moderna.  Uma riqueza musical ímpar passando por Heitor Villa Lobos, Legião Urbana,  Egberto Gismonti Amin, Tom Jobim e Pixinguinha em arranjos surpreendentes e também  composições inéditas de Cristina Braga,  Ricardo Medeiros, Luís Capucho e Jorge Mautner, que até a chuva veio prestigiar e se juntou ao pequeno, mas animado público que se reuniu em frente ao palco da praça e pediu bis. E pediu bis também para 2018, pois este ano o público teve o prazer de assistir a grandes apresentações, tais como: Geraldo Magela em ‘O melhor do ceguinho’; Artistas da terra: Banda Lira do Borá, Broots, Studio Corpo Movimento,  Paulo e Guilherme e Zé Herley); O Quintal da Guegué, em ‘Bonequinha Preta’; Grupo Dançarte, em ‘Brasileiríssimas’;  Oficina de arte e histórias para contar, cantar e brincar;  Companhia Pé de Cana - Nóis na Kombi, em ‘Circo de Doisdo’ e Banda Jacks.

A harpista Cristina Braga, na sua primeira vinda a Sacramento, elogia o público que assistiu à apresentação da banda debaixo de uma incessante chuva, mas muita animação. 

“- Foi um dos públicos mais lindos que já vi. A cidade é linda, o projeto maravilhoso e a acolhida e recepção de Sacramento foram muito grandes e a gente pôde devolver um pouco dessa reciprocidade”, afirma, reconhecendo: “o público  foi especial, a gente sente no ar quando o público se interessa”. 

 Sobre a incomum união de uma harpa e uma guitarra, Cristina revela que ela e Dado se conheceram na gravação de um disco. “Dado gravou duas faixas no meu disco, depois ele pediu pra eu gravar uma no disco dele e aí fomos afinando o universo clássico e o rock e decidimos fazer o show misturando esses dois mundos da música”, explica, destacando que Dado, ex-guitarrista da banda Legião Urbana, após a morte do vocalista Renato Russo, em 1996, passou a se dedicar à carreira solo. Mas, Dado nasceu em berço da música clássica, pois é sobrinho-neto do compositor Heitor Villa-Lobos. “Ele é um grande músico”. 

Dado Villa Lobos também comemorou  o resultado do show  e da chuva. “A região estava muito seca e a chuva é sempre bem-vinda. Foi lindo, maravilhoso trazermos para o público esse repertório inusitado”. Dado chegou a Sacramento por volta das 15h, segundo ele, tempo suficiente para passar o som e fazer um 'rolê, na cidade. “O pessoal contou algumas histórias. É sempre bom sair de casa e conhecer novos lugares, novas pessoas”. 

E, sobre o fato de ser sobrinho do grande compositor, Dado revela que há sempre o peso da grande responsabilidade. “Com um instrumento na mão tenho que ter a responsabilidade de tentar cativar e emocionar as pessoas”. 

 

Público aplaude e elogia projeto

“Sou muito grato ao Scala pelo convite para participar, porque eventos dessa magnitude, que trazem cultura e lazer são muito importantes e mostram pelo grande público presente o quanto Sacramento estava carente de arte. Sinto-me orgulhoso por poder prestar essa colaboração como apoiador do projeto, pois a cidade, pelo seu nível cultural, merece isso. Parabéns a todos!” (Kiko Bonfim, da Bonfim Corretora de Seguros, uma das empresas apoiadoras do projeto)
Minha avaliação, desde quando começou o projeto é positiva, pois é um trabalho fantástico, que tem a finalidade de contribuir com a comunidade para ser um lugar melhor, com mais cultura, mais educação... E nós, colaboradores do Laticínio Scala, apoiando essa causa dignificante, estamos exercendo de forma consciente nossa cidadania, talvez com o que há de mais nobre, a arte em todas as suas dimensões”. (Hebe Noventa, Analista de Recursos Humanos da empresa)
 “Fiquei encantada com tudo o que vi. E encaro todo o projeto como uma grande oportunidade de arte e cultura, que vai expandir os conhecimentos das pessoas e ensiná-las a valorizar a arte. E desde já agradecemos ao Laticínios Scala e a Tri Ciclo por este Mês Cultural, que propicia esse grande voo às crianças. Parabenizo também pelo tema deste ano, valorizando a acessibilidade”. (Leia Borges, professora, cadeirante, acompanhando seus alunos)
“O espaço público apoiando a educação, isso é muito bom. E estamos vendo que não se precisa de muitas coisas. Temos aqui um músico e uma cantora fazendo a alegria de nossos alunos e educadores, enfim, da sociedade, que está sempre carente desse tipo de movimento. É salutar ver esse lado mais humano e artístico patrocinado por uma empresa, o Laticínio Scala serve de exemplo e está de parabéns! (Thales Bianchini, professor, acompanhando os alunos do Barão) 
O mês Cultural Scala já faz parte da agenda de eventos da cidade
O Mês Cultural Scala teve a primeira edição em 2014, um presente para Sacramento em comemoração aos 50 anos da empresa fundada em 1963, por Nino Cerchi  e Sebastião Olinto Scalon, dois grandes baluartes da indústria na cidade. Anos mais tarde, Nino tomou frente nos negócios com a esposa Cléria Scalon Cerchi tornaram-se os únicos donos. Com a sua morte em 2002, os filhos assumiram a empresa e vêm ano a ano preservando a tradição e escrevendo novas  páginas na história do Laticinio Scala, uma delas a criação do Mês Cultural Scala, que se torna tradição.
 O Tri Ciclo Espetáculos há quatro anos está à frente do projeto realizado através da Lei Rouanet de Incentivo à Cultura e apoio de algumas empresas da cidade. Nesses quatro anos, foram muitos os momentos de cultura, emoção, alegria e lazer em mais de 80  apresentações nos palcos da cidade e escolas urbanas e  rurais.
A diretora artística do Tri Ciclo, Cyntia Verçosa, em entrevista ao ET, após a última apresentação, comemora o sucesso do Mês Cultural Scala. “Estou muito feliz. Nessa quarta edição, vi os sacramentanos muito envolvidos, empolgados, buscando informações no nosso site e em nosso face. Enfim, o depoimento das pessoas mostra que o Mês Cultural Scala chegou pra ficar, pois vem, a cada ano, atraindo gradativamente o público. O Laticínio Scala abraça esse sonho com a gente, mostrando através da Lei de Incentivo à Cultura a inserção da empresa na comunidade, fortalecendo e divulgando a sua marca, pois contabilizamos até o último espetáculo 10.620 pessoas presentes na praça e nas escolas, mais as que estão aqui hoje, mesmo debaixo da chuva”, informou, agradecendo a parceria.