Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1599 - 01 de Dezembro de 2017

PMS interdita ponte da Carmelita mais uma vez

Edição nº 1598 - 24 de Novembro de 2017

O Prefeitura de Sacramento, através da Secretaria de Obras e Serviços Urbanos interditou, mais uma vez, a ponte do rio das Velhas, mais conhecida como ponte da Carmelita, por conta de graves problemas estruturais, o principal deles, o esmagamento na longarina principal da ponte que serve de apoio das placas. 

“- O rompimento dessa longarina, pode causar um acidente terrível. É muito perigoso. Além disso, as placas de concreto de 2 toneladas cada uma estão soltas e algumas delas bastante danificadas. Outro problema também grave, a ponte, em toda sua extensão de 106 m está sem guarda corpo”, enumera o engenheiro, destacando que o próprio peso da ponte exige cuidados na estrutura”, alerta.

 Essa preocupação é endossada também pelo secretário de Obras do município, Sérgio Araújo, que tem alertado os motoristas através de uma série de providências no local, como placas de advertência, cercas pra servir de tapume e, ultimamente, montes de terra nas duas entradas da ponte. Nenhuma dessas providências foi respeitada pelos motoristas que teimam em desobedecer as ordens. “A prefeitura vem, interdita a ponte, colocamos os tapumes, placas de sinalização, nada adianta, o pessoal vem quebra os tapumes e atravessa”, lamenta Donadelli, preocupado com o que pode acontecer. 

O prefeito Wesley De Santi, também em entrevista ao ET, diante da avaliação feita pelos engenheiros, a primeira providência tomada foi proibir os motoristas do transporte escolar a cruzar a ponte. “Nossa primeira providência foi proibir as Kombis escolares de passar pela ponte, mesmo que para isso tivemos que pagar mais por conta do percurso”, informa, destacando também que, diante do alto custo para recuperação da obra, busca recursos junto ao governo para uma parceria.

Na verdade, a ponte da Carmelita vem apresentando esses problemas há vários anos.  “Ela está condenada há muito tempo, mas mesmo assim o pessoal insiste em passar e continua passando”, afirma Donadelli. Enquanto o ET fazia a reportagem no local, pelo menos quatro veículos passaram pela ponte. Um dos motoristas chegou a falar alto com o engenheiro, por conta da interdição. 

Para Donadelli, os motoristas que passam pela ponte desconhecem o perigo que estão incorrendo. “Essa ponte está condenada, com o próprio peso ela pode cair sozinha, imaginem então com um veículo em cima. Nas condições em que ela está, um Fusca já é muito peso, imagine um caminhão tracionado... Se romper a longarina, o problema será muito sério, porque a situação é grave, muito grave e perigosa”,  alerta.

 

A solução - A solução para a ponte, conforme Donadelli, é complexa. “Essa ponte terá de ser reavaliada por uma equipe técnica especializada, porque ela tem uma parte que ainda pode ser aproveitada, mas mesmo assim precisa avaliar qual o procedimento a ser adotado. Deve ser feita uma avaliação completa e perfeita para não causar mais problemas”, ressalta, informando que a Universidade Federal de Uberlândia (UFU)  já fez  uma avaliação da obra, mas por falta de recursos, o que foi  adotado foram   medidas paliativas, que não solucionaram os problemas. 

 

Altenartivas – Como principal via de acesso para servir as regiões e as comunidades rurais do outro lado do rio, como Gobbo, Soberbo, Perdizinha, a alternativa é fazer o desvio até a BR-262, via Perdizinha, ou passando pelo Soberbo, via MG 428 – Araxá-Franca.