Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Editorial

Editorial

Parte para a eternidade a incansável guerreira profª. Conceição Atair Alves

Por Ivone Regina

De saudosa lembrança já agora, repousa de maneira definitiva na memória e no coração de seus familiares, amigos, professores, alunos e conterrâneos.

Conceição partiu como viveu, incansável, esperançosa, serena e elegante. Idealista e visionária, religiosa e vocacionada. Dedicou toda uma vida a serviço de valores espirituais, culturais, educacionais e políticos, cujo mundo da existência se dá no rico fluxo da família, sobretudo, do amor maternos aos seus filhos queridos Ricardo e Samuel.

Editorial II

A Veradeira Força do Povo

O resultado das eleições foi irrefutável: Lula reeleito presidente do Brasil com 21 milhões de votos a mais que seu adversário, numa das votações mais consagradoras da história do país. Lula reeleito presidente apesar do infatigável massacre da mídia de pensamento único, que resvalou na opinião publica e ecoou naqueles que historicamente se deixam influenciar pelos meios de comunicação... Lula reeleito, superando toda uma onda de intolerância criada pela direita raivosa, propagada pela grande imprensa maniqueísta e absorvida, implacavelmente, por uma elite reacionária e (ou) alienada.

Editorial

A Vitória do Brasil

Por Carlos Alberto Cerchi

O título desse artigo nada tem a ver com a seleção canarinho, também não se refere à vitória do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos dois turnos das eleições presidenciais ocorridas em outubro p.p. Trata-se da realidade vivida pelo exercício da cidadania e da liberdade, sobretudo a de expressão, que assegurou a legitimidade da vontade popular no processo democrático instituído. Evidentemente, existem os inconformados que torcem para o terceiro, de uma eleição finda.

O acúmulo de injustiças no Brasil ao longo de sua história leva a discussão política para a questão social. A má distribuição de renda gerada pela exploração do capital sobre o trabalho colocou na marginalidade milhões de brasileiros, injustiçados social e economicamente. É improcedente a crítica à manifestação do direito de escolha dos desafortunados. Absurdo atribuir manipulação da vontade das camadas populares que votaram no candidato da esquerda. Pobre não é bobo e há muito deixou de ser massa de manobra.

Editorial

Finados

Por Ivone REgina Silva

Dia de Finados é o dia da celebração da vida eterna das pessoas queridas que já faleceram.
Todas as palavras das ciências calam-se diante da morte. A medicina luta até o último instante da vida do paciente. Quando os sinais vitais se apagam, ela amarga a derrota. E definitiva!
Várias explicações são dadas pelas religiões, porém, continuamos diante do maior dos mistérios humanos.

O finados que procuramos celebrar é o finados da esperança.
Para os que não crêem, finados é só tristeza, saudade... Tudo vai dar em nada.

Editorial II

A Vitória de Lula

Ricardo Alexandre de Moura Costa (*)

A maioria dos brasileiros ficou apática frente ao desrespeito mostrado pelo governo Lula para com o dinheiro do povo. É perigoso quando o homem perde a capacidade de indignar-se perante a imoralidade política que fere os alicerces democráticos e compromete a organização da sociedade. Lula usou de métodos pequenos para manter a sua boa imagem, abusou do assistencialismo barato que muito caracterizou o coronelismo de anos atrás e tudo isso cravado em um imediatismo irresponsável, onde se buscou apenas a permanência no poder.

Editorial

A educação no topo das discussões

Por: Maria Genny Caturegli (*)

Relatório da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), divulgado em 17 de agosto último, constata que, dentre as 163 nações que acataram a recomendação de universalizar a educação para todos até 2015, feita durante a reunião de Dakar no ano 2000, apenas 47 a cumpriram até 2005. O Brasil, infelizmente, não se inclui nesse bloco dos que estão respondendo a contento a esta importante agenda das Metas do Milênio. Além disso, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País tem 33 milhões de analfabetos funcionais – pessoas com menos de quatro anos de estudo – e 16 milhões de pessoas com mais de 15 anos ainda não alfabetizadas. Isto demonstra que os números meramente retóricos sobre melhoria do ensino apresentados pelo governo não comprovam a realidade.

A "Arte & Linguagem" dos alunos do Coronel


Arte & Linguagem foi mais um projeto realizado na EE Cel. José Afonso de Almeida, sob a coordenação das professoras Maristela Borges Tura (Educação Artística), Walnilda Abadia Batista Vieira (Português), Andréia Barbosa Lima (História - Ensino Fundamental) e Maria Inês Borges Estevão (Geografia - Ensino Fundamental).

O projeto Arte & Linguagem contou com dois temas distintos: "Na natureza nada se cria nada se perde, tudo se transforma", para o Ensino Fundamental e " A Arte e a herança mística unindo todos os povos", para o Ensino Médio. No primeiro, foram mostrados trabalhos confeccionados com garrafas pet, jornais, caixas, latas, vidros, folhas e galhos secos, enfim, uma amostra das coisas que podem ser feitas com o que jogamos fora ou desprezamos.

Editorial

Orkut

Por: Marco André Vizzortti

O ORKUT apareceu como uma forma de reaver amigos, saber notícias de quem estava distante e mandar recados, e hoje esta sendo utilizado com o propósito para que, creio, o seu maior trunfo, obtenção de informações sobre uma classe privilegiada da população brasileira.
Por que será que só no Brasil teve a repercussão que teve? Outras culturas hesitam em participar sua vida e dados de intimidade, de forma tão irresponsável e leviana. Foi por acaso você já recebeu um telefonema que informava que seus filhos estavam sendo seqüestrados? Sua mãe idosa já foi seguida por uma quadrilha de malandros? Já te abordaram num barzinho dizendo que te conheciam faz tempo? Já foi pra festas armadas para reencontrar os amigos de 30 anos atrás e não viu ninguém?

Editorial

Bem-aventuranças do Educador

Por: Silvana Elias da Silva Pereira (*)

Bem-aventurado o educador que na labuta diária continua acreditando que seu trabalho é uma possibilidade de transformação social;
Bem-aventurado o educador que, apesar da desvalorização da profissão docente se esforça para fazer de seus educandos agentes de luta pela valorização do trabalho;
Bem-aventurado o educador que diante de tantos desafios do cenário educacional se alegra diante de um educando que aprende a ler e a escrever;
Bem-aventurado o educador que apesar dos obstáculos consegue colaborar para que a escola seja prazerosa;

Editorial

Por que estão cortando nossas árvores

Por Melissa R. de Oliveira

A cada dia que passa me pergunto e sinceramente não consigo compreender porque estão cortando as árvores de nossa cidade e me sinto triste pois os argumentos não me convencem. Pior, chego a conclusão que não têm motivo nenhum para praticarem tal ato.

Para não dizer nenhuma besteira ou correr o risco de cometer algum equívoco, tenho lido bastante sobre o assunto e descobri que temos diversas formas úteis e práticas de arborizar, sem antes vir com a desculpa “esfarrapada” de que isso possa, por exemplo, comprometer a fiação ou mesmo sujar a cidade como alguns incautos pensam.