Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Editorial

Editorial

Vontade de Constituição

Por Ricardo Alexandre de Moura Costa (*)

Ano novo, nova legislatura com antigos, pesados e indignos representantes que de “tanto” trabalharem em prol de seus representados se sentiram confortáveis em defender um aumento “minúsculo” de 91% sobre seus rendimentos.

Editorial

A Praça é do povo

Já dizia o poeta. Menos em Sacramento, onde os prefeitos em toda história mais recente do município primam por desrespeitar esse espaço destinado aos passeios vespertinos da população, às correrias das crianças, aos beijos dos namorados, às retretas, serestas, primeiros encontros... Ihh!!! Fui longe. Fora o saudosismo piegas, o que quero dizer é que em Sacramento parece que prefeito tem birra de praça. 'Há uma praça, sou contra!!' - e tasca-lhe uma obra.

Editorial

Pais atarefados, filhos estressados

Diego Fernandes (*)

O entendimento entre pais e filhos está cada vez difícil de ser alcançado. Muitos pais chegam a cogitar a contratação de uma superbabá para, quem sabe, ela dar conta de uma função em que eles mesmos não estão se saindo muito bem.

Editorial

Sem liberdade a verdade não aparece, mas sem respeito, ela esmorece

Maria Elena de Jesus

“A liberdade de imprensa é um bem da sociedade, antes mesmo de ser um direito de profissionais e de empresas ligadas a essa atividade e por sua própria natureza, exige mobilização constante, vigilância permanente e firme posicionamento diante de fatos que representam ameaça ou que efetivamente a atinjam”. A afirmativa é da Rede em Defesa da Liberdade de Imprensa, que tem o apoio da Unesco, dentre dezenas de outras organizações internacionais.

Mas o objetivo aqui, agora, não é propriamente, falar de liberdade de imprensa, mas da vergonhosa manipulação que a grande mídia é capaz de fazer. Referimos-nos ao caso de Rodrigo Viana, ex-jornalista da Globo, que teve a coragem de denunciar as manipulações da ´vênus platinada´ em relação à política brasileira, ou melhor, políticos brasileiros, endeusando uns e massacrando outros. E não estamos defendendo Viana por sua postura, de rasgar o verbo só depois de sua demissão. Por que não denunciou antes? E nem entenda o leitor ser essa uma opinião político-partidária. Porém, o fato não pode passar em brancas nuvens, porque a denúncia foi feita numa rede de TV de alto nível, a rede Record.

Editorial

Aqui é sempre primavera

Os homenageados desta noite – comendadores, novos cidadãos honorários e congratulados – sentimos-nos agradecidos ao Poder Legislativo de Sacramento, pela honraria que nos acabam de oferecer. Os méritos podem não ser exímios, mas a gentileza da homenagem não tem peso nem medida possíveis, pela magnitude do gesto. Um “muito obrigado” alto e sonoro nosso aos membros do Legislativo desta cidade de Sacramento. Agora, permitam-me proclamar, somos com muita honra, membros da comunidade sacramentana.

Ditadura é arbítrio, é escravidão, é humilhação, é brutalidade...

Editorial

Por Ivone Regina Silva

NATAL!
É o mistério do nascimento de Jesus
atingindo toda a humanidade,
trazendo mais beleza, mais alegria,
mais paz, mais união e
VIDA acima de tudo!

NATAL!
É o Deus-Menino ressurgindo
no coração de cada ser humano,
construindo uma terra de irmãos,
onde as diferenças entre
fortes e fracos se anulam na partilha
e fortalecem a nova jornada em busca
de fraternidade, do direito e da justiça.

NATAL!
É o convite a quem tem sede
do valor divino do humano.
É uma parada necessária

Editorial

A educação no topo das discusões

Por Maria Genny Caturegli

Relatório da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), divulgado em 17 de agosto último, constata que, dentre as 163 nações que acataram a recomendação de universalizar a educação para todos até 2015, feita durante a reunião de Dakar no ano 2000, apenas 47 a cumpriram até 2005. O Brasil, infelizmente, não se inclui nesse bloco dos que estão respondendo a contento a esta importante agenda das Metas do Milênio. Além disso, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País tem 33 milhões de analfabetos funcionais – pessoas com menos de quatro anos de estudo – e 16 milhões de pessoas com mais de 15 anos ainda não alfabetizadas. Isto demonstra que os números meramente retóricos sobre melhoria do ensino apresentados pelo governo não comprovam a realidade.

Editorial

A imaculada Conceição de Maria

Por: Pe. Luiz Carlos de Oliveira (*)

Melitão de Sardes, bispo, discípulo de João, falecido em 177, escreve em uma homilia sobre a Páscoa: “Este é o Cordeiro sem voz ... este é aquele que foi gerado por Maria, a pura ovelha”. Em tradição tão antiga, unindo Maria ao Cordeiro imaculado, sacrificado, reconhece nela a beleza da graça da Redenção. Faz eco às palavras de Lucas: “Alegra-te, cheia de graça”. Nela existe o favor divino. Quando Pio IX , em 1854, proclamou o dogma da Imaculada Conceição, não estava descobrindo novos ensinamentos. Estava reconhecendo o que a Igreja sempre acreditou. Lucas mostra em Maria a totalidade da graça, pois só assim pode gerar a Graça, Jesus Cristo. O Filho não poderia nascer na linha do pecado original dos primeiros pais. Ele é “Filho do Altíssimo”, não somente um filho de Adão a mais. Deus quis preparar uma digna habitação para seu Filho.

Editorial

Entre vícios e virtudes, uma ponte sem medo.

Maria Elena de Jesus (*)

Vícios e virtudes foi o tema do FACC/2006, da Escola Estadual Coronel José Afonso de Almeida, com o lema “Entre vícios e virtudes, uma ponte sem medo”. Assunto muito propício para os mais de 500 jovens do Ensino Médio, que vivem, como milhares de outros de igual idade espalhados por todo o mundo, um dilema: o que é certo e o que é errado. Falar de valores humanos significa, sobretudo, destacar do homem, a capacidade de produtor da realidade construída a partir de uma consciência do que valoriza e transmite, realiza e transforma. Mas afinal, quais são os valores de hoje? Que exemplos temos em meio a tanta corrupção, injustiça, desigualdade social, autoritarismo de uns, passividade de outros, ganância, inveja? Nunca se falou tanto de paz e o mundo nunca esteve tão violento? ... Em que mundo estamos, como vivemos ou como vive o jovem envolvido no FACC?

Editorial

Jesus que nos ama

(*) Pe. Luiz Carlos de Oliveira

Com a festa de Cristo encerramos o Ano Litúrgico. Tivemos todo um ano para celebrar com Cristo seu Mistério Pascal, isto é, sua vida, paixão, morte e sua gloriosa ressurreição. Cristo não é somente um “santo a mais” da Igreja. Somente nEle se explica o universo. Por isso celebramos a festa de Jesus Cristo Rei do Universo. A festa tinha um cunho um tanto político diante das realidades do mundo, como a dizer: Cristo é o Rei maior. Sem perder essa dimensão de realeza, Jesus é o Salvador que se entrega ao Pai em sua vitória sobre a morte. Ele é o Senhor. São João proclama no prólogo de seu evangelho: “No princípio era o Verbo (Palavra – Cristo) e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus [...] Tudo foi feito por meio dEle, e sem Ele nada foi feito de tudo o que existe” (Jo 1,1-2). Jesus é o Homem-Deus, síntese de todo universo. Mas é Ele celeste: “Meu reino não é desse mundo” diz a Pilatos (Jo 18,36). Ele esteve no meio de nós. “Ele nos ama porque nos libertou com seu sangue das cadeias da morte e nos associou a si, nos redimiu a sua realeza, seu sacerdócio, criando-nos como reino de salvação e povo sacerdotal digno de servir ao Pai” (Frederici). Temos muitas razões para celebrar a festa de Cristo Rei, porque estamos envolvidos com ele e seu Reino. O poder fundamental que tem é de conduzir, como um pastor a seu rebanho, para, com Ele, viver junto do Pai. “Se com ele morremos, com Ele viveremos. Se com Ele sofremos, com Ele reinaremos” (2 Tm 2,11-12)