Jornal O Estado do Triângulo - Sacramento
Edição nº 1595 - 03 de Novembro de 2017

Crônicas

Por onde passa o futuro do Cristianismo?

Edição nº 1546 - 25 Novembro de 2016

O Papa Francisco tem um mérito inegável: tirou a Igreja Católica de uma profunda desmoralização por causa dos crimes de pedofilia que afetaram centenas de eclesiásticos. Em seguida, desmascarou os crimes financeiros do Banco do Vaticano, que envolveram monsenhores e gente das finanças italianas.

Os estudantes querem um outro Brasil e um outro tipo de política

Edição nº 1545 - 18 de Novembro de 2016

Seria ingênuo pensar que o movimento dos estudantes ocupando escolas e universidades se esgota na crítica de um dos mais vergonhosos projetos já havidos, da reforma do ensino médio  ou no protesto contra a PEC 241 da Câmara e agora PEC 55 do Senado, PEC da brutalização contra os mais vulneráveis da nação. O que se esconde atrás das críticas é algo mais profundo: a rejeição do tipo de Brasil que até agora construímos e de política, corrupta feita por parlamentares em proveito próprio.

13 de maio ou 20 de novembro:qual é o “Dia do Negro”?

Edição nº 1545 - 18 de Novembro de 2016

As duas principais datas comemorativas no Brasil, no que tange a questão dos negros, são, sem dúvida, o 13 de maio, aniversário da sanção da Lei Áurea e a consequente abolição da escravatura, e o 20 de novembro, conhecido como o Dia da Consciência Negra. Porém, se pararmos para pensar qual desses dois dias melhor representa as atuais reivindicações dos movimentos negros, e da luta pela igualdade racial como um todo, qual escolheríamos?

Trump e Hillary entre o ruim e o pior

Edição nº 1544 - 11 de Novembro de 2016

Em todo o mundo estão se fazendo as mais desencontradas análises sobre o significado da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA com os mais diferentes titulares.
O mais significativo para mim foi o do senador chileno Alejandro Navarro: “Triunfo de Donald Trump es un castigo a los gobiernos del establishment”.
O senador faz uma crítica mais geral, válida também para nós, que governos progressistas que chegam ao poder, acabam, sob pressão da macroeconomia globalizada, fazendo políticas claramente neoliberais com prejuízo para as classes mais vulneráveis.

Os Frutos do Ano da Misericórdia

Edição nº 1544 - 11 de Novembro de 2016

Neste domingo, (13), a Igreja Católica encerra o Ano da Misericórdia e o Fechamento da Porta Santa.

Política como cuidado para com o povo

Edição nº 1543 - 4 Novembro de 2016

Já passaram as eleições municipais dentro de um contexto político dramático, com um governo federal com baixa credibilidade e com legitimidade discutível.
Grande parte dos políticos visam  chegar ao poder por interesses e uma vez no poder, a promover a reeleição. Muitos deles não vivem para a política, mas da política. Deforma-se assim a natureza da política como busca comum do bem comum. Pior, o político interesseiro se coloca acima do bem e do mal. Só faz o bem quando possível e o mal sempre que necessário.

No Dia de Finados, celebramos a vida

Edição nº 1543 - 4 Novembro de 2016

    O romance “Por quem os Sinos Dobram”, de Ernest Hemingway, escritor inglês parafraseado por John Donne, também escritor, coloca esta significativa frase: “A morte de cada homem diminui-me, porque eu faço parte da humanidade; eis porque nunca pergunto por quem dobram os sinos: é por mim.”

Deus, onde estavas naquele momento? Por que não acalmaste o tufão Mathew?

Edição nº 1542 - 28 de Outubro de 2016

Quando vemos nas primeiras páginas dos jornais a devastação que o tufão Mathew, agora em outubro, produziu no Haiti e nos EUA destruindo cidades, derrubando árvores, arrastando carros e matando centenas de pessoas, os que cremos, nos perguntamos angustiados:
“Deus, onde estavas naquele momento em que a fúria assassina  do tufão Mathew se abateu sobre o Haiti e os EUA? Por que não usaste o teu poder para amainar a virulência destruidora daqueles ventos  e daquelas águas inimigas da vida? Por que não intervieste, se podias fazê-lo?”

Finados é dia de reflexão, de saudade e esperança

Edição nº 1542 - 28 de Outubro de 2016

A morte é ainda assunto-tabu, recalcado, silenciado. Preferimos viver como se a morte não existisse. Mas, na sociedade atual a morte é também trivializada com as guerras, calamidades, eutanásia, aborto, acidentes com auxílio da mídia. Há os que preferem fazer da morte uma experiência soft, é a “morte-soft”, relegada aos hospitais, funerárias e religiões. Aí a morte é maquiada, relativizada pelas instituições, chamada também de “morte digna”. Muitos de nós vivemos uma “vida inautêntica”, uma existência falsa porque não nos permitimos refletir e aceitar a morte.

Onde está o poder hoje no mundo

Edição nº 1541 - 21 de Outubro de 2016

Há um fato que deve preocupar todos os cidadãos do mundo: o deslocamento do poder dos Estados-nações para o lado do poder de uns poucos conglomerados financeiros que atuam a nível planetário, cujo poder é maior que qualquer Estado tomado individualmente. Estes de fato detém o poder real em todas as suas ramificações: financeira, politica, tecnológica, comercial, mediática e militar.